2004

Estas crónicas de jornal foram escritas para o semanário “O Aveiro”, a pedido do jornalista Pedro Farias. Essa colaboração durou vários anos, mas não pôde continuar após a morte do semanário.

A primeira edição (ou publicação) desta obra foi feita em “O Lado Esquerdo” — http://aveiro.blogspot.com – inicialmente criado para resolver problemas de comunicação, caso existissem. Todos os textos foram enviados por correio electrónico para Pedro Farias do semanário “O AVEIRO”.



A professora.


Nos dias mais calmos da vida, saio de casa para a leitura do jornal da manhã, acompanhada de café e água mineral. Aproveito também para desenhar e escrever à mão num caderninho de folhas soltas, fazendo exercícios de salvação dos meus dedos tolhidos pela artrose da idade, pelos teclados das máquinas e na perseguição de ratos que teimo em domesticar.

Assim estava eu escondido nesse meu canto de café, quando ouço gritar o meu nome ou parecido, logo seguido de uma melopeia sobre a Escola José Estêvão. “Já não te lembras de mim? É natural, mas eu sim eu lembro-me bem de ti. Ainda estás na escola, não?” Puxei pela memória dos milhares de rostos que vi na escola e tenho de reconhecer que a cara que me fitava não me é estranha. Devo ter assentido nesse reconhecimento vago. Tanto bastou para ouvir uma reclamação gritada contra a situação, contra as colocações de professores, contra o Ministério, contra a corrupção, contra tudo e todos. Em calão claro, grosseiro. E a história gritada para todo o café: “Concorro todos os anos, já há cinco anos que não sou colocada, não tenho dinheiro, agora estou à espera do rendimento mínimo, …” Finalmente, em tom ligeiramente mais rouco, pediu que lhe emprestasse dois euros. Do pouco dinheiro disponível, dei-lhe a única nota que tinha. Quando ela se foi com o dinheiro, ouvi-a pedir o troco da nota para ir à máquina comprar cigarros. Enquanto saía do café, ainda gritou: “Sei muito bem onde te encontrar, quando tiver o dinheiro”.

Podia vir aqui falar de uma irritação surda contra ela que ia fumar o dinheiro. Mas não me sobrou irritação – só uma funda turbação e muita tristeza. Não só a mim: nenhuma outra fala humana se ouviu durante a altercação.

O que é que é injusto? Sabemos que as crianças não podem sofrer com a administração de ensino por uma pessoa que perdeu a identidade na espiral de desgraça em que se perdeu a professora que nos enfrentou no café. Mas desejamos ardentemente que seja colocada como professora se esse for o seu direito! Só podemos revoltar-nos por não cuidarmos que cada pessoa possa cumprir-se num destino digno e útil. Se tivesse sido professora nos últimos cinco anos, esta mulher seria completamente diferente?

A pessoa que me enfrentou no café deixou-me diferente, tocado pelo seu assomo de arrogância trágica. Como uma mágica unidade estatística saltou dos relatórios dos governos. Para não me deixar indiferente.

[o aveiro; 8/1/2004]



De fora para dentro


Nas últimas semanas, por mais tempo do que seria desejável, ouvimos falar do sistema educativo por razões que não são as melhores. Num tempo de nova Lei de Bases, revisão curricular e medidas para o apoio aos jovens com necessidades educativas especiais, as vozes que se ouvem não falam disso, mas de dificuldades nas colocações de professores, compadrio em deslocações de professores, etc.
Uma boa parte da paz e do sucesso das escolas do ensino público vive de poucas coisas seguras: a colocação dos professores obedece a critérios claros e objectivos, garantindo que é colocado o profissional mais qualificado entre todos os que se candidatam; há programas estabelecidos que contemplam o necessário para a vida em conhecimentos e competências escolares; os sistemas de aferição e provas de exame são adequados aos programas e servem os seus objectivos de verificação do que se aprendeu e é necessário para novos estudos ou para ingressar numa vida profissional em que a formação subsequente mais direccionada muito depende da formação escolar inicial. E vive principalmente de valores sociais de integração que é preciso incutir pelo exemplo de todos os dias, a começar e a acabar na vida dos responsáveis.
Para estragar, já nos bastam as calamidades e a maldade que todos os dias assaltam a vida social relatadas pela comunicação social e cabe também à escola interpretar e moderar. O pior que nos pode acontecer é termos responsáveis pela educação sem valores, que não possam ser apontados como exemplos de honestidade, respeitadores das regras sociais e das leis, cumpridores das obrigações individuais para com a comunidade.
A interferência nos exames nacionais do ano lectivo passado, as malfeitorias de favorecimento no acesso ao ensino superior para familiares de altos responsáveis, as deslocações de favor e à margem da lei de professores de umas escolas para outras são factos e actos perniciosos ao sistema de valores que o sistema educativo também é. Só nos faltava a notícia desta semana que envolve o próprio Ministro da Educação em incumprimento de obrigações e jogos.
Que pode fazer a escola? Sejam e façam como nós dizemos, não sejam como mostram ser os nossos responsáveis? Nada é pior para a educação de um país do que ser atingida pelo mais fulminante desalento: “Já que ninguém se salva, salve-se quem puder!”

[o aveiro, 15/01/2004]



  O absurdo paleio


Nunca procurei o absurdo. Mas quando o encontro, ponho-me a olhá-lo olhos nos olhos. Nunca se deixa intimidar. Quando dá por mim, a olhá-lo, não desvia o olhar. Só um olhar mais aberto que arqueia a sobrancelha como que a perguntar o que é que se passa. Penso que deve ser isso, porque o absurdo não abre a boca para perguntar. Aliás, pensando bem, o absurdo nem tem boca. Penso que evoluiu e perdeu a boca por não precisar dela. O absurdo mostra-se e guarda os olhos mais para se ver. Mas mesmo os olhos do absurdo já me parecem rudimentares e pouco devem ver. Isto é o que me parece, já que nunca pude falar com qualquer dos absurdos que se cruzaram na minha vida. E também não tenho notícia sobre como era o absurdo antes eu poder ver. E é, por isso, que também tenho sérias dúvidas a respeito da validade da minha teoria sobre a sua evolução para a não boca. Também não me parece que ouça apesar dos dois pequenos orifícios, um de cada lado da sua cabeça. Será aquilo que vejo mais que uma bola sobre as duas estacas do absurdo? Porque há-de ser uma cabeça? Se fosse uma cabeça, isso significaria um cérebro, uma mente do absurdo. E teria livre arbítrio, ao menos em parte? E as estacas que o levantam do chão serão pernas para andar? Ou o absurdo está preso ao chão como um vegetal vivo livre para ser abanado pela brisa ou pelo meu sopro, mas incapaz de fugir ou sequer desviar-se de mim. Nunca pensei em ir de encontro a um absurdo com que tenha dado de caras. E, por isso, sei muito pouco sobre as suas reacções e e sobre a sua mobilidade ou motricidade. Só sei que quando vejo o absurdo, posso olhá-lo e que ele se deixa olhar sem se sentir intimidado. Quando o rodeio, ao passar por ele, vejo-o de vários pontos de vista, mas ele parece-me igual sempre virado para mim. Agora que estou a pensar nisso é que me lembro de o ter visto sempre frontalmente, mesmo enquanto vou passando por ele. E é fascinante já que nunca lhe vi outro movimento para além daquele arquear das sobrancelhas. Que agora começo a duvidar de mim quando penso que vi isso. Será que vi isso realmente? Ou, ao descrever o encontro, descrevi o que esperava ter visto como quando vejo pela primeira vez uma pessoa que não conheço e não há razão para outra coisa senão o espanto contra um olhar fixo no vazio. Agora que o escrevi, tenho de reflectir sobre o vazio como absurdo e aceitar que, provavelmente, nunca dei de caras com o absurdo e afinal dei por mim a chamar absurdo ao vazio que olho fixamente de vez em quando. Outras pessoas devem ter visto o que eu vejo. Será que pensaram o mesmo que eu quando viram o absurdo? Duvido agora que lhe tenham chamado absurdo sequer. O mais natural é que, se forem inquiridas sobre o assunto, respondam de forma incoerente e declarem que não viram coisa alguma, ou pior!, que não percebem a pergunta e que o fulano deve ser mas é maluco. Valerá a pena perguntar a alguém? Talvez a um amigo que seja capaz de ter pena de mim.



A matéria dos sonhos


É como se nada do que vimos acontecer tenha acontecido. Os debates sucedem-se por força do que acontece, mas metade dos participantes aceita a chamada ao debate como se nada tivesse acontecido que o motivasse. Pensamos mesmo que eles e elas aceitaram o tempo presente como matéria de que é feita a eternidade. E todos se fecham numa concha de coerência e moral que são matérias estranhas e exteriores à composição química dos políticos no poder.

As formas governamentais de descentralização e reorganização do território são uma novidade? Permitem aos municípios iniciativas conjuntas por sua conta e risco. Já não era assim? Não se mantêm todos os actuais entraves ao desenvolvimento local e regional? Algumas das concretizações só podem classificar-se na categoria de pesadelos. A contiguidade territorial já fez com que Castelo de Paiva passe a estar no Vale do Sousa. Alguém sabe que unidade é uma área metropolitana? Quem sabia, vai deixar cair o conceito para poder aceitar as designações de novas realidades (ainda que virtuais) portuguesas. A haver alguma área metropolitana por aqui perto ela já existe e atrai os municípios do norte do distrito.

A educação e o ensino não tem quaisquer problemas e tudo o que se fez e faz vai no bom sentido. Dizem-nos que todos podem ver que há coragem e capacidade de decisão e que finalmente as escolas vão poder cumprir o seu papel. Porque é que trabalhadores da educação, sindicatos e uniões, associações de estudantes e confederação de pais ou mesmo as ligas católicas apelam a uma marcha pela educação marcada para a próxima sexta feira?

Todos são a favor da necessidade de uma reforma na administração pública. Mas parece que a reforma proposta pelo governo não é afinal a resposta a esse desejo profundo. Que consequências terá o congelamento dos salários da função pública pelo segundo ano consecutivo? Nenhuma? As greves marcadas são motivadas pelo egoísmo feroz?

Não há mulheres a serem julgadas por um crime catalogado em lei e que ninguém quer ver mais castigadas do que já foram pelas suas próprias vidas? Não é verdade que há muitas dezenas de milhares de portugueses a assinar petições para pôr fim a esta ignomínia?

Os pesadelos são da mesma matéria dos sonhos? E o poder é surdo e cego? Para que é o espanto? Eu quero estar enganado.

Nunca me lembro do que sonho, mas sei que os meus sonhos não moram nestes tempos.

[o aveiro; 22/1/2004]



O circo com feras


O Ministério da Justiça de Celeste Cardona mostra o seu melhor no domínio das artes circenses ao arriscar uma dupla pirueta seguida de salto mortal atrás.
Começa por não entregar prestações devidas à Caixa Geral de Aposentações até que esta ameaça não processar nem mais uma aposentação aos funcionários do Instituto em falta. Pouca gente olha para esta primeira fase da pirueta, porque os holofotes estão apontados para outro lugar da arena. Pensou que os holofotes não a iriam destacar e podia continuar os seus ensaios longe dos olhares do público? Ou não suportou a falta dos aplausos e vaias? O que é certo é que arriscou tudo na segunda fase da pirueta.
E, descontando nos salários de um ano (?) de centenas de oficiais de justiça eventuais as devidas prestações para a segurança social, a esta não fez as entregas impedindo as acções de apoio social aos trabalhadores, que a elas tinham e têm direito.
Mas o melhor ainda estava para vir., o salto mortal atrás. Afirmando a pés juntos que não praticou qualquer ilegalidade, vem explicar que não podia entregar as verbas por não haver o completo enquadramento legal das contratações daqueles trabalhadores. Faltava uma autorização do Ministério das Finanças? Faz-se uma autorização especial e, de rabo descoberto, as entregas são prometidas para breve. E tudo volta à normalidade, tudo fica regularizado. Fica?

A dupla pirueta da retenção de impostos e prestações sem a consequente entrega é crime. É o Ministério da Justiça que dá o exemplo e, por essa via, cobre com um manto de poeira os milhares de crimes da mesma natureza que empresas privadas cometeram ou venham a cometer. Como pode tal Ministério arrogar-se competência para o combate à fraude, ao crime fiscal e tributário? Quem se pode admirar de tanta fuga e tanto roubo, sem castigo, que tolhe o pais?

O salto mortal atrás levanta a ponta do véu da mentira que são as “causas” deste governo para a administração pública. As regras que se aplicam à contratação dos funcionários públicos e que a impedem podem não ser aplicadas, por exemplo, pelo Ministério da Justiça. Ironia? Não. Só a tristeza de um albergue onde não há lei nem regra que tolha a vontade deste ou daquele governante mais talhado para a farsa das chantagens em coligações de poder.

Quem julga que este circo é um espectáculo oferecido ao povo, está enganado. Não há espectáculo mais caro. Mas é o único em que autênticas feras arriscam duplas piruetas com salto mortal.

[o aveiro; 29/01/2004]



A armadilha


Na última semana, prestei especial atenção a alguns analistas e políticos que trataram dos assuntos da justiça, das trapalhadas dos Ministérios da Justiça e das Finanças, do congresso da CGTP e das declarações de Carvalho da Silva e Mário Soares, para além de uns trocados sobre a economia em crise e o pacto de estabilidade.

Sempre com dificuldade em engolir as suas opiniões, até é possível que tenham razão e é mesmo possível que falem de evidências que só a mim escapam. Para continuar saudável, tenho de recusar o seu mundo tão simples quanto terrível. Para eles, o discurso de Carvalho da Silva no Congresso da CGTP não é o natural discurso politico de um dirigente sindical para este tempo de crise, de congelamento de salários, de encerramento de empresas e despedimentos em massa, de desemprego, de cortes no sistema de saúde pública, de privatizações de sectores que são considerados essenciais para garantir o acesso universal a certos bens e serviços, etc. Para eles, o discurso de Carvalho da Silva é o discurso de um indivíduo que dá sinais de querer ser secretário geral de um partido. Não são as circunstâncias da situação politica que determinam os actuais discursos de Carvalho da Silva ou de Mário Soares. Para eles, os discursos não passam de manigâncias individuais no cenário da conquista de um poder qualquer. Em que mundo foram criados estes analistas? Os seus conhecidos trazem punhais afiados nos bolsos prontos a ser enterrados nas costas de seus rivais ou aliados que lhes perturbem a caminhada. Só pode ser. E, a ser isso verdade, pelo que nos é dado ver, o modelo de que se servem para analisar os actos dos indivíduos em geral, só pode espelhar a gente que está no poder ou nela se reflectem. Não é perturbador este jogo de espelhos?

E, ao contrário do Reino Unido, em que a mentira matou e ainda demite (como aconteceu recentemente na BBC), os políticos, militares, comentadores e jornalistas que mentiram e influenciaram a opinião pública a favor da guerra não mostram quaisquer sintomas de culpa ou interesse em estabelecer a verdade e, em Portugal, esse passado próximo foi assassinado e está enterrado em parte incerta. Não é perturbador que a honra se tenha suicidado?

O jogo consiste em abafar com barulho o ranger de dentes e imaginar brilhantes futuros como vestidos do pobre presente. E sobre alguns incómodos de consciência, que se estenda uma mortalha de silêncio. Quem anda a montar a armadilha?

[o aveiro; 5/2/2004]



O cardume.


Nos últimos tempos, o pais foi abanado por iniciativas da sociedade civil supra-partidárias que, face ao desastre nacional, pretendem influenciar uma sagrada aliança dos dois maiores partidos (um no governo, outro na oposição) para um pacto de estabilidade e crescimento. Lembro-me de muitos deles, pelas caras ou pelos nomes, que nos aparecem acima destas pequenas querelas de governo e oposição com uma força moral e intelectual “devastadora”. Descubro-os em antigos governos, em administrações de patrimónios públicos e privados, fundações, etc. Lembro-me deles como sendo aqueles que eram isto e se mostraram competentes para outra coisa qualquer. Não é preciso lembrar-me das suas formações iniciais, porque a competência que lhes é reconhecida é tão vaga nas palavras e nas acções quanto precisa na conquista do poder e de salários milionários (nos sectores públicos ou privados, ou entre uns e outros). Há mesmo alguns que são chatos desde a juventude militante, tendo ficcionado uma versão de eminências pardas (literalmente pardas!). Quase todos eles foram e são elementos da cadeia de negociantes políticos que nos trouxeram até aqui. Ouvi-los a pensar é de arrepiar!

Nos últimos dias, os miúdos do peixe graúdo (novos de cabelos brancos, tão novos como “jovens agricultores” ou “dirigentes de juventudes partidárias”), gestores, administradores e similares também vieram a terreiro com um grande encontro – no convento do(s) beato(s) – para influenciar e promover sagradas alianças em torno de um novo modelo de desenvolvimento. O meu coração quase não resistia à excitação. Finalmente iria ouvir palavras de salvação. Devo ter perdido o essencial, mas ouvi as palavras do costume: #flexibilizar e agilizar; emagrecimento do estado; a Europa e a Espanha não constituem quaisquer perigos, antes são desafios e oportunidades; quem não tem medo da competição não tem medo de Espanha; “etc. Fiquei menos sossegado. No que respeita ao capital, não só não há sério conflito de gerações, como os mais novos aspiram ao paleio dos “cotas”.

Pelo que me foi dado ouvir, o modelo de desenvolvimento que lhes passa pela cabeça não é novidade que nos aqueça e, quem nos dera! que não arrefeça. É “Boss botled” – no convento do beato. Viva o “25 de Abril” que permite todas as reuniões.

[o aveiro; 12/2/2004]



Prisão de vento


Nas últimas semanas, muito se tem falado da produção e consumo de energia eléctrica. Por um lado, prepara-se mais um mergulho de paisagem para uma nova grande barragem. Mobilizam-se jovens cientistas a contrariar esse empreendimento que, para um tempo de vida útil de 70 anos, tem um impacto eterno de destruição de ecossistemas, extinção e redução substancial de espécies. Esses especialistas e activistas da “Plataforma Sabor Livre” acham que falta definir um plano energético nacional que identifique as necessidades do país e proponha um conjunto de alternativas de produção e gestão energética, abandonando de vez a opção por pontuais barragens. Consideram que deve ser dada prioridade total à implantação de políticas de incentivo à eficiência energética e às energias renováveis que não contemplem grandes obras hidroeléctricas. Finalmente acham que Portugal deve adoptar “medidas ao nível da indústria, transportes e habitação, de incentivo às energias renováveis, nomeadamente solar e eólica, de economia de energia”.

Ao mesmo tempo, as directivas de planeamento europeu apresentam prazos para que os países membros atinjam metas, impossíveis de cumprir por Portugal, no que respeita à produção de energias renováveis. A instalação de parques eólicos, que já vamos vendo, também não é pacífica para os que se preocupam com a paisagem e, dia sim dia não, somos informados de falhas de planeamento que impedem a realização de projectos.

É certo que o consumo de energia não pára de crescer. E os interesses do negócio da energia electrodoméstica apostam em artificiais novas necessidades de consumo de energia. Aveiro é uma cidade de vento e sol e é o exemplo mau. Os planeadores da cidade e os construtores unem-se vezes sem conta para inibir as famílias de expor ao vento a roupa lavada que é preciso secar. Os lençóis e os vestidos de todas as cores deviam corar ao sol da nossa cidade e, batidos pelo vento, ser sinais de poupança de energia. Fechadas nas casas, torturadas nas máquinas de secar, as nossas roupas e a nossa cidade só podem corar de vergonha.

As politicas para aumentar a produção de energias renováveis têm de ser acompanhadas de politicas que evitem consumos supérfluos. Não fazemos uma coisa nem outra. E começamos a suspeitar que há ganâncias combinadas. Há quem tente mudar à força os hábitos saudáveis das famílias. Com pequenos gestos se fazem grandes roubos. Cabe aos cidadãos desfraldar as suas roupas ao vento como antes… e, pelo futuro!, como bandeiras de revolta.

[o aveiro; 19/02/2004]



  A percentagem de nós


Não admira que haja tantos problemas nas cervicais do povo do meu pais. Começo a desconfiar que é mais por excesso de exercício que por falta. Nós damos voltas à cabeça para perceber o que passa pela cabeça de alguns governantes e políticos. Eles dão-nos volta à cabeça. Ficamos feitos num nó ou num (dois ponto) oito e aprendemos como uma dor difusa pode tomar a forma de um nó na garganta.

De um lugar da plateia do povo, vejo fazer operações financeiras puras, passes rascas de magia e fantasia. De facto, não conseguimos reduzir as despesas nem aumentámos as receitas e também não produzimos mais riqueza verdadeira. E sobre isto, todos estamos de acordo. Apesar disso, o governo da nação consegue diminuir o défice. Qual défice? O real excesso de passivo ou despesa relativamente ao real activo ou receita? Não. De facto. o que a imaginação contabilística faz é tapar o buraco de uma conta. Como é que se tapa um buraco destes num instante? Vende-se o máximo que se pode do que se tem e penhora-se, etc. O mandato para quatro anos de um governo pode dar-lhe tempo para vender o património público de dezenas, quando não centenas de anos. Abrem-se novos buracos para obter receitas extraordinárias, na falta das ordinárias. Sem falar, é claro, no que se foi deixando de pagar (por exemplo, à indústria farmacêutica) para diminuir a despesa. Se comprarmos sem pagar, não aumentamos a despesa? De facto, transformamos o que não foi uma despesa de hoje numa enorme despesa de amanhã. Não tem custos vender à banca, a despesa para que seja ela a pagar? Não tem custos vender à banca as receitas por cobrar?
Porque é que devemos ficar todos contentes com o “dois ponto oito”? A percentagem tem alguma coisa a ver com rigor? Que números nos importam?
Os números de desempregados, de falências da produção e do comércio, da formação, os números da sida, da droga e da gravidez precoce, os números da justiça, das prisões e dos suicídios nelas, os números da fraude e evasão fiscais e da corrupção, os números da dominação do futebol em coberturas noticiosas das televisões, … só nos dão a medida da nossa tristeza. Relativamente à Europa, cada um destes números faz de nós campeões em percentagem de nós cegos.

A realidade social não conta. O que conta são os números que a mostram ou a escondem, porque somos um pais de trespasses (e trespassados). O objectivo de muitas empresas não é a produção de bens ou a prestação de serviços – é o negócio do lucro no trespasse. Tudo tem de ser rápido, em pequenos prazos – vantagens e lucro a qualquer custo e para ontem. Quem fala de empresa governativa hoje, fala disto… e de “tangas”.

[o aveiro; 26/02/2004]



A chave dos sonhos.


Quando se juntam dois velhos, de que falam eles? A maior parte das vezes falam do passado, umas vezes tomados por estáticas lembranças do bom que foi (mesmo que não tenha sido bom), outras vezes falando sobre o que podia ter sido e sobre se podia ter sido como se tinha pensado que era bom que viesse a ser. Estranha frase!

Se juntarmos duas pessoas com 25 anos de sócios da mesma cooperativa de habitação, de que falam eles? Do que era a cooperativa e do sonho que morava nas casas da sua imaginação, do que afinal não foi, de quem e do que se perdeu pelo caminho. De passagem, falam de quem travou o quê, de quem fez o quê. Falam dos 15 anos de dança entre terrenos, desde a fundação da cooperativa até às primeiras chave e fechadura de casa construída no que é a sua urbanização.

Sabem que a Cooperativa não é o que inicialmente sonharam como obra cooperativa. Eles lembram-se bem do que defenderam, dos terrenos em direito de superfície, da propriedade colectiva, da casa para habitação própria e só transmissível de pais para filhos, etc. Também sabem que afinal adquiriram casas em regime de propriedade individual e que há pessoas que venderam as suas casas a preços do mercado(o que é isso?), ou que as alugaram, … Eles estão rodeados da vida inteira e não só dos seus sonhos feitos realidade.

Viram as pessoas mudar entre os valores cooperativos e os do mercado. Hoje em dia, as pessoas são sérias (e espertas!) se aproveitam as oportunidades de acordo com a lei ou legalmente e não são sérias por o serem simplesmente. Os governos empurraram a actividade social das cooperativas para o mercado e as cooperativas não podem controlar a vida e actividade individual dos seus membros. Podemos lamentar que parte dos sócios das cooperativas não actuem de acordo com a ética cooperativa? Podemos. Haverá sempre bons e maus cooperativistas e cooperativistas que têm valores muito diferentes dos nossos. Assim acontece com todas as actividades humanas.

Sendo uma actividade humana contraditória, como todas, as cooperativas construíram casas e nós sentimos que fizeram bem, mesmo que tenha havido quem delas se aproveitou para outros fins menos legítimos, não menos legais. A cooperativa é feita de sonhos também por não controlar consciências.

Em 25 anos, tudo muda numa cidade. A Cooperativa de Habitação de Aveiro, CHAVE, faz 25 anos neste mês de Março e é uma parte da cidade que mudou. Merece humanos parabéns!

[o aveiro; 4/3/2004]



portugal profundo


1.
Se o último livro de Cavaco Silva trouxesse uma página que fosse com um pormenor do Pulo do Lobo no Alentejo profundo, eu não resistia a comprá-lo. Em cada acontecimento que me lembre, há um detalhe que o lembra .

As viagens que fiz ficam perdidas no mapa de estradas da vida, a menos que um detalhe luminoso se transforme em sinal perene a piscar ao futuro. Não interessa nada ter ido a Moncorvo falar com professores de Matemática e ouvir o Presidente da Câmara falar do sentido do desenvolvimento, do betão em falta ou em excesso, das estradas que ainda não há, etc. Nem me marcou especialmente ver que há faixas à entrada e em frente à Câmara de Moncorvo a defender a Barragem do Sabor, tão combatida pelos defensores do rio selvagem e seus moradores sem voz. Há aqui algum desencanto com o falhanço do desenvolvimento de Foz Côa. Não acreditam em desenvolvimento feito sobre o património existente e o ambiente natural e, em troca de uma agitação desenvolvimentista ainda que efémera, não hesitam em afogar parte da vida natural que o esquecimento salvou do sacrifício ao progresso.
São poucas e de pouca monta para os interesses locais as pessoas que descem e sobem as encostas do Sabor selvagem. Não estão disponíveis para a vista desarmada do comércio e das ruas urbanas. Não contam, como não conta tudo o que não se vê à luz (que cega!) de um certo progresso,
Ali perto, no Freixo, alongamos o olhar para o céu já que o Douro se cerca de paredes altíssimas a toda a volta do olhar. Nem a mais leve agitação à superfície da água que parece(?) parada.. Na fotografia confundem-se as montanhas e o céu que vemos acima com as imagens das montanhas e do céu que vemos reflectidas no espelho das águas. Um lago entre duas barragens? Numa das encostas portuguesas, abrem-se janelas sobre o rio parado. Na margem portuguesa, há um café, um parque limpo e um cais para barcos de recreio com anúncios de viagens pelo douro internacional.
Qual é o detalhe que lembra? Sem guarda, as retretes públicas estão abertas e limpas com vários rolos de papel higiénico bem à vista. Não parece português.

Como é no Pulo do Lobo? Que terá ficado na memoria de Cavaco Silva?

2.
Mas profundo, profundamente português, é ter sido notícia de televisão (com entrevistas e tudo) o facto do filho de um comandante de policia de uma das nossas cidades do interior ter pago uma multa que lhe foi aplicada justamente. E o pai não lhe tirou a multa? Esta pergunta é portuguesa e profunda.

[o aveiro; 11/03/2004]

 



Os olhos de Madrid.


Entraram nos comboios da madrugada dos trabalhadores e estudantes dos arredores de Madrid e neles abandonaram as suas mochilas carregadas de bombas. Que viram eles nas caras sonolentas daqueles filhos da madrugada no instante em que lhes encomendavam a morte? Na sossegada manhã das rotinas das multidões de trabalhadores, os assassinos disfarçam-se como peças humanas das mesmas rotinas.
O que o terrorismo tem de mais terrível é ser prova de que o homem, sentado no banco em frente ao meu sorriso confiante, pode ser o assassino da multidão de que faço parte. É a sua humanidade (ou a falta dela) que nos aterroriza. Porque é que voltamos sempre atrás, como se perseguíssemos a nossa própria sombra? Com que olhos olhamos por cima dos ombros?

De nacionalidades, culturas e religiões diferentes, duzentos inocentes foram sacrificados em Madrid, muitos deles imigrantes ilegais na fortaleza europeia. Todos morremos um pouco na manhã da última quinta feira de Madrid. E todas as pessoas vulgares se sentiram madrilenos feridos pela incerteza dos dias do ódio e das guerras sujas.

A frieza nas mentiras do governo de Espanha sobre os factos e os autores dos atentados dão uma medida do que é hediondo na luta politica pelo poder ou pela sua manutenção. Ficamos também a saber como os órgãos de comunicação social podem ser controlados pelos governos no poder.

E resta-nos a esperança da mobilização dos povos de Espanha. Já se tinham rebelado contra a participação da guerra no Iraque. E agora, nas ruas, esse mar de mágoas, exigiram a verdade ao governo do Partido Popular sobre o que se tinha passado de tal modo que se sobrepôs à manipulação do governo, tendo alterado o sentido de voto e derrotado o partido da guerra. A luta pela verdade derrotou o partido do governo e da manipulação mentirosa.

Aos nossos ouvidos, soam familiarmente (mas estranhas) as vozes de alguns analistas a estranhar que Zapatero do PSOE venha confirmar que vai cumprir a sua promessa eleitoral de retirar as tropas espanholas do Iraque. Dizem que é um perigo, já que tal gesto pode ser interpretado como uma cedência ao terrorismo e pode ser um incentivo a novos actos de terror. Devotados ao estilo de vida do consumo das suas ideias, achariam perfeitamente natural que a democracia fosse indiferente ao voto do povo. A sua sabedoria leva-os a pensar que só é democracia aquela que confirma, no plano do poder, a sua opinião, que é, espanto dos espantos!, a mais servida à mesa dos mais poderosos.

Somos todos madrilenos nestes dias. Tanto na mágoa e na radical oposição ao terrorismo como na oposição ao jogo sujo e à mentira como armas politicas. Contra quem somos madrilenos?

[o aveiro; 18/03/2004]



A eternidade.


Saio da escola para a manhã de vento. Inclinado para a frente, contra o vento procuro uma parede ao sol. Nos últimos dias, o vento mais forte mudou-se para Aveiro. Ouvimos as suas zangas dentro e fora de casa. Acabamos por nos habituar à sua presença intrometida em todos os lados da nossa vida.
Antes de alcançar a salvação da parede do Museu, ouço o meu nome. Viro-me para trás. Uma cara sorridente começa a dizer: – Claro que não se lembra de mim! E eu ensaio uma das minhas saídas de velho: – És o …! Ele corrige-me na primeira parte do nome já que eu tinha acertado na terminação. Também nunca consegui melhor em qualquer dos sistemas de apostas mútuas autorizadas e mesmo a terminação é rara.
A conversa não vai durar mais que uns momentos.
– Também não admira que não se lembre. Quando fui seu aluno, tinha 16 anos e agora tenho 38. Já lá vão 22 anos.
– E que fazes agora?
– Agora trabalho numa ETAR. E comecei a fazer trabalhos em madeira. Tirei um curso de carpintaria.
– A última vez que te vi, trabalhavas aqui perto no balcão da …
– Essa foi à falência há muito tempo! Depois disso, já andei 5 anos embarcado. Mas não era pescador. Trabalhava na copa.
– Estás muito mais magro.
– Estive doente. No mar, as condições das pessoas que lá trabalham são más e, quando o corpo estava mais fraco, apanhei-a. Fiquei parado e quis fazer uma grande dieta.
Depois de mais umas palavras para a troca, sobre a minha vida de sempre sem mudanças nestes 22 anos que passaram, despedimo-nos. Sigo até á parede do Museu que me esperava. Não chega e vou ter de me sentar encostado ao vidro da janela do café para poder ser acariciado pelo calor do sol.

Comecei a pensar nas notícias terríveis sobre a miséria em Portugal, que não pára de crescer nestes tempos de politicas promotoras do desemprego do presente em nome do emprego do futuro.

É então que fico a saber que Ariel Sharon assassinou o velho Ahmed Yassin, paralítico chefe espiritual do Hamas. Nem o velho Ahmed, sempre a contar o tempo em eternidades de vinganças, tinha conseguido fazer tanto pela guerra. Há dezenas de anos que Ahmed ansiava, sem o conseguir até agora, tornar-se um mártir da causa palestiniana. Uma rajada fria de estupidez criminosa varre as ruas do mundo, enquanto regresso à escola.

E o vento de Aveiro continua a soprar, mas já não presto a mínima atenção a qualquer das suas brincadeiras. Preciso que voltem a chamar-me pelo nome.

[o aveiro; 25/3/2004]

 



O céu dos pobres de espírito


Confirmaram o que já sabíamos: mais de metade das empresas e dos patrões portugueses não paga impostos. Ou aguentam com espírito de missão prejuízos imensos ou ficam ela por ela. Passeiam-se pelas ruas de corda ao pescoço. Houve logo quem viesse falar de fraude e evasão fiscal e da necessidade de as combater com o fim do sigilo bancário e cruzamento com os dados do património visível das famílias empresariais. Pelo meu lado, que conheço os princípios religiosos em que fomos formados, acredito em todo o povo católico. Eles eram lá capazes de cometer o pecado de roubar o estado de todos nós, mentir e exigir indevidamente serviços ao estado! Não. Eu fico é cheio de pena e rogo a cada um dos contribuintes que invente dinheiro para que o estado possa subsidiar os empresários que vivem abaixo da linha de pobreza. Penso mesmo que aqueles números horríveis sobre a pobreza estão a ser mal interpretados, já que o que devemos ter é uma bolsa de empresários sem abrigo e sem sopa e são precisas medidas de novo tipo. O nosso problema de pobreza é de um novo tipo: sabemos que o filho do patrão vai às aulas num bmwz3 da moda, mas, na privacidade das casas, é só pobreza envergonhada e falta de pão. A primeira medida de apoio aos nossos pobres empresários deve passar por acabar com rendimentos mínimos garantidos e similares. Penso mesmo que, caso o agravamento da carga fiscal sobre os trabalhadores por conta de outrem não chegue, se deve activar um pedido de ajuda internacional para debelar a pobreza persistente do nosso empresariado. Claro que, se algum confessar o pecado da gula e da fuga ao fisco, merece uma absolvição e “nada de propósitos firmes de emenda” que há muito a fazer com o dinheiro que, a cair nas mãos do estado, é mal gasto.
Pena que as semanas ricas não paguem impostos.

No Sameiro, Braga, algum diabo deitou fogo em vários locais ao mesmo tempo e o inverno fez-se inferno em vez de primavera. As árvores de Águeda, Sever do Vouga e Oliveira de Frades arderam porque alguém se deve ter posto a queimar os restos de alguma lida ao fundo de uma leira. Uma semana de vento pode abrir uma temporada de incêndios. Pobres bombeiros. Pobre mata. Não podemos atear fogueiras ao vento.

Banalizamos os gestos dos chicos espertos que fogem aos impostos e tolhem todas as iniciativas da sociedade. E banalizamos a coragem de fazer coisas erradas sem medo das consequências. Na estrada quando conduzimos para matar ou se ateamos uma fogueira e pomos em risco a casa e a vida das pessoas. Se uma ponte cai e temos de chorar os mortos, porque haveríamos de chorar pelos culpados? Pobres de espírito, rica semana!

Absolvamo-nos uns aos outros!

[o aveiro; 1/04/2004]



A intenção que voa


Na semana passada, em Beja, ouvi o Ministro da Educação dizer-se incapaz para falar com o sistema educativo. Em contrapartida, revelava ser capaz de falar e fazer propostas a uma escola em particular e prometia voltar ao Baixo Alentejo com propostas para aquela escola e para cerca de vinte escolas especialmente vocacionadas para o desenvolvimento de cursos tecnológicos. Ao mesmo tempo, revelava que muitas das antigas escolas técnicas tinham oficinas desaproveitadas e havia instalações e equipamentos em ruína… por haver falta de interessados nos cursos técnicos e tecnológicos. Não falava da falta de qualidade e quantidade da oferta dos cursos pelas escolas, mas de desinteresse dos alunos e suas famílias.

No início desta semana, o Primeiro Ministro torna públicos os planos do governo para reforçar o investimento público, ao mesmo tempo, que apresenta o plano de prevenção contra o abandono escolar. Entre as várias medidas, o Primeiro Ministro fala das 20 escolas de referência para o desenvolvimento do ensino tecnológico na base de parcerias de escolas, empresas e instituto de emprego. E fala no aumento de vagas para os cursos tecnológicos. Aparentemente, estamos no tempo da inspiração nos cursos certos, precisos ao tecido produtivo e desejados pelos jovens em idade escolar e suas famílias.

Eu quero que tudo dê certo. De facto, como o Primeiro Ministro diz, temos falta de formação dos jovens (e do povo) e os números do abandono precoce são eloquentes. Será que os portugueses não consideram importantes a escola e o sistema para o futuro dos jovens? Ou será que as escolas e o sistema não são o que deviam ser? Ou será que, apesar dos anos de separação brutal entre a sociedade e o conhecimento, nunca se fizeram os esforços necessários e faltou a inspiração para dar corpo a uma ideia nacional de inteligência baseada na cultura, no conhecimento ou no saber em geral?

Já temos a imensa maioria dos jovens nas escolas, como é natural e desejável à sociedade. Mas muitos jovens abandonam a escola antes de terem completado os estudos, e não temos conseguido inverter a situação com a urgência que a sabedoria recomenda. Ouvimos governantes, do PSD ou do PS, traçar planos para alterar a situação. Já nem quero criticá-los. Estou velho demais para não desejar que a algum deles, a qualquer deles, aconteça o milagre de uma correspondência entre as palavras da propaganda e a realidade social que eles simulam.

Uma dúvida me atravessa o espírito. Quem anuncia intenções para serem atingidas em 15 a 20 anos são os que, mal eleitos, torpedearam as intenções para 15 ou 20 anos dos anteriores governantes. E se perdem as eleições? Será mais um programa partidário de educação? Eles vão perder as eleições, ainda as palavras lhes estão a sair da boca.

As intenções têm asas e voam. Nós precisamos de qualquer coisa que seja semeada e tenha tempo para germinar e crescer a partir da nossa terra e da nossa gente.

[o aveiro; 8/4/2004]



  A fragilidade das formas


Olho para o que ouço. Não preciso de ver. Sinto que estão ali perto do meu mundo, no meu mundo, as sombras de uma loucura que dança. A loucura anda à solta e salta à corda por aqui e por ali. De vez em quando, ergue-se uma forma humana e fala uma razão cristalina, como se a água tivesse regressado ao seu curso de rio interrompido pela enxurrada de sangue da loucura que salta à corda feita dos meus nervos.

Os super-heróis americanos tiraram as fotografias todas à alegria que os tinha invadido enquanto invadiam o Iraque, sem resistência digna desse nome. A guerra procura as vitórias. Nestes últimos tempos a guerra tem tido as suas vitórias contra a humanidade que usa palavras como armas pela paz. Armados até aos dentes, os americanos e os seus aliados mostram os dentes brancos e brilhantes nos dias das vitórias. Depois, o tempo encarrega-se de sujar os dias que se seguem às vitórias dos super-heróis. Quem não tem razão é louco. Sabe-se hoje que os super-heróis estavam sem razão, loucos. A areia amarela do deserto sem emoções está colada aos dentes dos que morrem. A dança é macabra – os dois lados ensaiam um passo de dança, a um passo da morte.

O super Ariel cospe bombas como quem cospe as pevides de uma melancia podre que é a sua cabeça em vez da cabeça. Ás vezes, temos a sensação que, sempre que acontece ser acusado de corrupção ou outra minúcia de loucura, dispara para uma notícia maior que a sua própria notícia. Ao mesmo tempo, cerca-se quando cerca os outros, separa com um muro os vizinhos. Super Ariel está em Israel – dentro ou fora de si mesmo? Não sabemos de qual dos lados do muro se está preso. E é por isso que as fronteiras que se erguem como muros fazem dos povos prisioneiros, vizinhos da loucura.

Duas favelas. Duas misérias maiores que a miséria. Dois bandos de narcotraficantes do Rio de Janeiro lutam pelo controle do negocio. Matam-se uns aos outros. E a policia tenta controlar ou contornar a onda de violência. O que disto interessa é a resposta à proposta de isolar as favelas da violência com um muro alto. A resposta do eleito da cidade é um rotundo não. O melhor é quando diz que não quer criar um parque temático da droga.

Há sempre os que se matam uns aos outros. A loucura toma uma forma sem dentro e fora. Cada morte é tanto uma vitória como uma derrota. Quem se separa com um muro, é preso e prende, está dentro e está fora. Ninguém está livre. A luta entre os traficantes das favelas do Rio e da polícia contra os bandos reduz a pouco as guerras do mundo dos loucos e faz de Ariel mais do que um construtor de um muro, um construtor de parque temático.

Desenho um muro a toda a minha volta. E descanso.

[o aveiro; 15/04/2004]



  Amar perdidamente!


Hoje lá recebi mais uma fotografia em que apareço a dormitar. De há uns tempos a esta parte, os meus amigos não resistem a tirar-me fotografias ao sono solto que solto nas circunstâncias mais variadas e também mais inconvenientes. É da idade.

Algo parecido querem que aconteça à revolução do 25 de Abril. Há quem diga que a revolução está velha e há mesmo quem diga que está a morrer. Outros até dizem que não foi revolução. Há quem diga que foi uma revolução do passado do seu tempo. Há quem diga que mais valia que tivesse sido de outra forma e que podia ter sido de outra forma.

A revolução portuguesa de 1974 apanhou-me na tropa, depois de ter sido militante estudantil anti-fascista e a ser ou em vias de me tornar militante activo de organizações de extrema esquerda. Sempre a militar! E que desastrado militar! Depois da revolução de 1974, continuei a viver a pura e livre euforia da vida. Com o 25 de Abril perdi muito… medo. E mortos. E guerras sujas. Só isso? Nem queiram saber o que mais ganhei!

Não quero resmungar contra o passado. Se eu soubesse então o que sei hoje, outro galo me cantaria? Não, eu não quero incorporar no passado a sabedoria do futuro. Quero continuar a saborear a liberdade tal como ela me foi apresentada, nua tal qual a amei. Quanto mais sentia a falta dela, mais desesperadamente a amava. Quando ela chegou, dei comigo sem saber como lidar com a nossa relação e o máximo que consegui foi dar-lhe a mão e convocar uma manifestação para cada primeiro dia do resto da minha vida. À liberdade fiz juras, promessas de amor eterno e desejei-lhe vida eterna no meu pais, até que os mais novos não imaginassem um tempo sem ela. Tantas vezes lhe gritei o nome que há uma voz gravada nas paredes das ruas a sussurrar-me o seu nome: liberdade.

Estou velho e dormito amiúde. Adormeço mais vezes para acordar feliz mais vezes. Vou morrer um dia e não haverá sinal da minha passagem. Já a revolução de 1974 vai estar por aí acordada no novo tempo que, sem ela, não seria o mesmo e seria triste.

E, à sua passagem, como efeméride, aguço a minha atenção para sentir os sinais dos homens e das mulheres livres, que isso é sentir o que senti quando carregava às cavalitas os filhos para sermos a multidão do 25 de Abril. O 25 de Abril de sempre!

[o aveiro, 22/4/2004]



  revolução que canta


O 25 de Abril é sempre o centro de uma certa gravidade. No intervalo de tempo centrado no 25 de Abril, multiplicam-se as iniciativas comemorativas a favor (ou contra) da presidência, da assembleia, do governo, dos partidos e da sociedade civil desta República de Abril. Contam-se histórias, faz-se a história, cria-se história.

Os comentadores mais inteligentes e letrados podem até dizer-nos, para nosso deleite intelectual, que os tipos que fizeram a revolução eram uns cretinos que liam o Marx de véspera, que os documentos da época eram umas coisas mal amanhadas que nem valiam o papel em que eram escritas, que isto e mais aquilo. E gostamos mesmo de ler aquelas coisas. Quem é que, agora a esta distância temporal e prenha de experiências vividas, ao visitar o passado e ao reler o que foi escrito há 30 anos não tem vontade de rir e não se espanta como é que aquelas coisas puderam ter tanta força? A força na circunstância!
As mais belas análises dos nossos sociólogos e historiadores, colunistas de hoje, que tão bem detalham pensamentos profundos, não valem mais que o momento da vingança na escrita e na leitura. É injusto. Profundamente injusto. O pior de tudo é que os “comentadores” até sabem como tudo se passou e como aquilo tudo foi uma sucessão de coisas menores, de actos medíocres motivados por pequenos egoísmos e cobardias de soldados e capitães que não queriam combater, seguidos de jogos de bastidores em que os políticos faziam mais manobras de coristas que de estrategas, levando o pais ao desastre.
Portugal foi incapaz de uma verdadeira revolução capaz de encher as medidas aos “valentes” e polidos pensadores de hoje. Era de esperar. Raio de país. Desgraça de povo, zé povinho sempre manipulado. Como sempre, como todos. Não é? A revolução não é coisa bonita, nem inteligente. E ainda por cima, sem mortos nem feridos, e pessoas do mais vulgar que há a mandar nos momentos mais decisivos! Palavra de “tia”!
De outro lado (ou do mesmo?), o nosso empresariado (o que é nacional existe?) a fazer as suas propostas de compromisso, nestas alturas. Que as partes cumpram com os seus compromissos, para que possamos todos exigir em conformidade. Eles cumprem? Há uma revolução ou contra-revolução sempre em curso, conduzida pela inteligência p-saltitante (entre público e privado) que está a esganar (pela fraude) o estado social, ao mesmo tempo que apresenta, no melhor papel, um caderno de (des)encargos ao governo. Afinal, eles estão no governo contra o estado. Conselhos de “tia”!

Eu vivi muitos anos antes e muitos anos depois de 1974. Já cá cantam os anos que passaram e uma revolução entrou a cantar para dentro da história da minha vida. Continuo a ouvi-la, mesmo enquanto leio as reprovações e as provas da sua não existência.

[o aveiro; 29/4/2004]



Os ultra-sons(os) do apito.


A semana passada foi marcada pela crispação do primeiro ministro do nosso governo. Numa intervenção, decidiu desvalorizar os argumentos dos Verdes pondo em causa a sua existência como grupo parlamentar, na base de que nunca teriam concorrido sozinhos a eleições. Argumentar assim é a irracional reacção de quem não tem razão e sabe disso, mais ainda da parte de um dirigente de partido coligado. Noutra intervenção, perdeu as estribeiras quando questionado sobre um empréstimo do banco do estado a uma multinacional, em Portugal representada por um (?ex-)embaixador e(?ex-)membro do governo, para uma operação de privatização de capital da petrolífera nacional.
Porque é que estala o verniz (e com tanto estrondo) a este primeiro-ministro? Eu compreendo-o. Para este momento de glória, já sobrava, em estridência, o apito dourado que compromete altos responsáveis do partido do governo, autarcas e patrões do negócio do futebol. Alguns deles têm tantos cargos (no público e no privado) que devem baralhar tudo. Não há novidades especiais nos casos em disputa. O primeiro ministro diz que estas denúncias (sem provas) enfraquecem a democracia. Será?
É verdade que os cidadãos podem e devem ser livres de ter actividades em sectores de negócios e devem manter intactos todos os seus direitos e deveres políticos. Mas o centrão (ps e psd) da alternância tem vindo a demonstrar um apetite insaciável por ganhar no público a influência (e a competência?) que lhe falta para partilhar negócios privados. Suspeitamos que o que se está a passar é que a passagem pela política e, em particular, pelo governo ou pela administração de empresas públicas, se tornou um meio para atingir fins privados no privado. Em cada grande negócio de empresas de capitais públicos vimos sempre, do lado do privado interesse, alguém conhecido da politica. Em algumas destas personalidades não suspeitávamos especiais competências para a gestão e administração empresarial, mas parece que afinal não há gestores ou administradores nas sociedades privadas. Que dizer do antigo ministro da economia do ps que está à espera do fim de um prazo qualquer para assumir a administração de uma multinacional que ganhou uma candidatura numa privatização decidida no tempo em que era ministro e árbitro no negócio? Estes árbitros estão a passar-se. Quem defende os interesses do Estado?
O silêncio não defende a democracia.

[o aveiro; 6/5/2004]

 



a educação da vida


A violência das torturas nas prisões do Iraque e à sua volta e a instrução do caso Casa Pia ocupam os noticiários de toda a semana que passou. Mas, para mim, foi uma semana da educação.

Por um lado, uma bronca nos concursos de professores estalou e, com ela, o delírio politico e o cheiro a irresponsabilidade vieram para a boca de cena e tomaram conta de tudo. Já não bastavam os problemas de fundo da educação. O Ministério decidiu acrescentar desgraças várias à colocação dos professores que, para além do problema técnico, pode significar insegurança persistente. Já não é a primeira desgraça. Certas medidas do Ministério, que exigiriam prova de competência técnica e bom senso, têm cheirado a incompetência e deixam marcas negativas. Foi assim, no passado recente, com a imprudência da ingerência no sistema de exames e é agora com as mudanças desastradas nos sistema de concurso dos professores. Lá se foram alguns louros que, no campo da educação, o governo procurara ganhar com a campanha politica da luta contra o abandono escolar.

A semana da educação, da iniciativa do Presidente da República, pode ter sido prejudicada por estas provas dadas pelo Ministério. Mesmo assim, sempre se escreveu alguma coisa sobre o estado da educação e sobre as mudanças necessárias. Para alem das visitas a instituições escolares de vários níveis e um pouco por todo o pais, o Presidente da República promoveu algumas sessões em que especialistas europeus puderam falar do problema da educação nos países da Europa comunitária, apresentaram e discutiram possíveis caminhos das politicas de educação. Portugal tem atrasos relativamente aos restantes países da Europa comunitária que parecem mais graves na Europa dos 25.

A escola pública é, nestas alturas, centro de atenções. Todos esperam da escola pública que ela seja a garantia da educação e ensino para todos e, com tais condições e qualidade de serviço, que ninguém a queira abandonar e onde todos queiram aprender e ficar motivados para estudar ao longo de toda a vida. A escola pública é escola de massas e, apesar disso ou por isso mesmo, tem de ser uma escola exigente para pessoas exigentes. Desenvolver valores da educação e o interesse pela aprendizagem junto das famílias em todos os sectores da população é fundamental para a escola pública.

A escola pública não pode ser um reduto assistencial, disse um especialista espanhol. E tem de ser escola para todos e garantindo que todos adquiram as competências básicas necessárias ao mesmo nível, disse um especialista francês. Eduquemo-nos para acreditar nisso até que seja realizado, estudando cada dia da vida enquanto nos aproximamos do futuro. Sem medo.

[o aveiro; 13/05/2004]



Dormideira


Vestida de negro, uma avó embala o neto cantando baixinho: “o meu menino tem sono, ai, ai / tem sono o meu menino, ai, ai / ó, ó lhe vou cantando / até que ele perca o tino, ai, ai”. Posso lembrar-me do tempo em que podia perder o tino, confiando a um colo protector a minha existência. Do outro lado da rua, ainda sobrevive uma leitaria ou um café que não destruiu as mesas e cadeiras antigas. Posso lembrar-me do tempo em que esperava a camioneta para voltar a uma aldeia protectora de onde não queria e queria sair. Do lado da paragem da camioneta, olhava as mesas redondas com cercaduras de metal e imaginava-me no degrau que separava as duas diferentes salas de estar da leitaria. Por alguma razão, conforta-me lembrar os lugares que dormem e sonham sem mudar de cara. Por alguma razão, conforta-me pensar nesse lugar do tempo em que podia perder o tino ao colo da minha mãe. Sei que fui criança a cabecear, no embalo da ladainha em latim da igreja da minha aldeia, embrulhado no xaile da minha mãe. Descanso.

Recebo, na minha caixa de correio, um panfleto de um ‘comité por um Portugal livre – free Portugal’ que reza assim: “Tem compaixão de Nossa Senhora. Com o teu voto não permitas que o Seu Filho seja posto fora da Europa” No verso, há um alerta. Diz-se que o Parlamento Europeu tomou a “inquietante decisão” de chumbar “uma proposta do PPE, na qual se pedia que se fizesse uma referencia explícita às raízes cristãs da Europa no texto da Constituição Europeia”. E, a seguir à frase: “É triste ver como os da esquerda votaram contra”, um quadro esclarece o sentido do voto de cada deputado português, sem esquecer de colar ao PSD e ao CDS a sigla da coligação para as europeias “Força Portugal”. Eles (quem são eles?) não aceitam outras opiniões, outra fé ou falta dela, nem as raízes mais fundas. Estarão dispostos a uma cruzada? Fico para aqui a tremer de medo (tenho razões para isso) e a torcer-me de riso com o ridículo da grandeza de alma cristã dos euro-deputados do PSD e do CDS-PP. Oh, Cristo, vem cá abaixo ver isto! – diria a minha mãe.

Assim se estraga uma boa recordação da infância que me tinha embalado no fim de semana. Veio-me à memória o retrato do retardado fascista Américo de DEUS Rodrigues Thomaz exposto nas paredes interiores da igreja da minha infância.

Em liberdade, algumas almas penadas querem as nossas depenadas. E, por isso, não posso deixar-me embalar, adormecer e perder o tino. Confiar a minha alma a esta malta de capitalistas liberais maoístas e maus cristãos é condená-la às penas do inferno, seja o que isso for.

Como um Cristo (que sempre fui – é o que dizem!) e acordado, vou votar contra.

[o aveiro; 20/05/2004]



A Câmara Escura


No dia 25 de Março de 2003(!), a Cooperativa Chave entregou na Câmara um projecto de arquitectura para o lote 21, último na Urbanização Chave. Passou a ser o processo 110/2003, para os serviços da Câmara e para a Chave. Até ao fim de 2003, não há no dossier da Chave qualquer ofício ou papel da Câmara. Tem-se uma lista dos telefonemas à Câmara (ou para nada) feitos pelo arquitecto. No dia 26 de Janeiro de 2004, há um pedido de informação da Chave sobre o andamento do processo, com referencias aos Decretos-Lei 555/99 e 177/2001. A 30 de Janeiro de 2004, sem ter recebido qualquer resposta ou despacho, a Cooperativa vai enviar aos Serviços Municipalizados a especialização de água e esgotos, e, a 9 de Fevereiro, trata das aprovações do projecto de electricidade junto da EDP/CERTIEL, que, a 6 de Abril, entram na Câmara. Sem qualquer despacho sobre o processo da arquitectura, em 25 de Fevereiro, são entregues projectos das especialidades. No dia 20 de Março, o Presidente da Câmara participa no lançamento da primeira pedra deste empreendimento(?). Em 6 de Abril, a Cooperativa requer informação, o que volta a fazer no passado dia 21 de Maio. Também me disseram que a Comissão de Coordenação da Região Centro respondeu a um pedido de parecer sobre o processo e os prazos.
Passou mais de um ano e nem um papel a Câmara produziu sobre o processo 110/2003. Pelo menos, a Cooperativa não recebeu coisa alguma.

Há 25 anos, a Cooperativa aguentou anos e anos sem ter conseguido construir uma casa. Todos sabem que a existência da Cooperativa depende da vontade dos cooperadores e só nós, cooperadores, a podemos matar. Mas,… o processo de construção da Urbanização Chave exigiu que fosse levantada uma pequena empresa cooperativa. E sabemos, nós e o Presidente da Câmara, que a empresa cooperativa pode ser assassinada pela incúria impune dos serviços públicos. A falta de resposta e despacho asfixia a empresa cooperativa e, quem sabe?, algumas outras empresas. A favor de quem?

Não posso acreditar que tenhamos eleito a Câmara para isto. Não pedimos qualquer excepção; só pedimos razão para a nossa razão. E clemência! Nunca fui em futebóis, mas, se vier resposta, prometo ir ver um jogo de futebol. É obra!

[o aveiro, 27/05/2004]



Votar pela EUROPAZ


Eu não tenho os mesmos interesses dos senhores Barroso, Paulo Portas e dona Manuela. Por isso, não vejo que os meus interesses possam ser representados pelo senhor de Deus Pinheiro. Não tenho os mesmos interesses dos senhores tipo Sousa Franco, até porque ele já disse que os seus interesses, não sendo os mesmos da coligação de direita, são os mesmos do PPD.

Eles querem que eu, peixe-miúdo ou arraia-miúda, acredite que meus são os seus interesses de tubarões. Não se cansam de repetir que defendem a mesma europa que eu e que a sua europa é boa para mim. Tentam mesmo dizer-me que os deputados que eu eleger, se forem de algum cardume de não tubarões, não podem fazer senão política de tubarões e deixar-se comer.

Ora isso não é verdade. Toda a gente sabe que não há um só Portugal e que o portugal de quem cai no desemprego hoje não é o de quem cria e justifica cada lugar de desemprego e o respectivo precário subsídio português. O portugal armado até aos dentes com a mentira e na vassalagem aos senhores da guerra não é o meu. Os negócios privados na água, na energia, na educação, saúde e solidariedade social são do país deles. O portugal xenófobo e do trabalho sem direitos é o portugal de “durão & portas, s.a”. É um portugal selvagem e de vassalagem que eles exportam para fora, nos seus sorrisos bajuladores. Para dentro, são cobras cuspideiras de tranquilizantes fundos estruturais, canalizados para portugal que enriquece por a esmola ser grande e empobrece enquanto subsidia o “pato-bravo-novo-rico”.

Quantas Europas diferentes cabem na Europa? Os nossos ?construtores? portugueses passam a vida a colocar-nos no pelotão da frente. Alguém acredita que os países que realizaram referendos e votaram contraditorios sobre diversos aspectos da adesão e do desenvolvimento da Europa comunitária estão atrás de nós? Há mais Portugal para além do “Portugal, S.A.”. Há outra Europa e é por essa que vou votar: Europa com políticas de paz e contra a guerra; dos serviços públicos europeus com defesa do emprego e pela imigração com direitos, do co-financiamendo dos sistemas de protecção social dos mais débeis, do equilíbrio ecológico e de poupança da energia. Eles falam dos fundos estruturais como quem agita um cheque-brinde. E pedem-nos cheques em branco, enquanto se disfarçam de palhaços mal educados com piadas sobre a vidinha de cada um e se calam sobre a vénia que fazem.

A Europa não é só uma fortaleza ou empresa multinacional. Há a Europa dos cidadãos e eu voto pelas políticas da cidadania europeia livre e solidária com o mundo. O meu voto tem a direcção e o sentido do bem comum.

[o aveiro; 10/06/2004]



pequena diferença na europa.


Nem um BEijo de feira em Aveiro. E, no distrito, o Bloco de Esquerda triplicou o número de votantes, afirmando-se como “terceira” força política na maioria dos concelhos, tão pequena quanto potente nas diferenças. No concelho de Aveiro, assim é: pura força das ideias e seu movimento.

Acompanhei parte da campanha das eleições para o parlamento europeu e participei num painel sobre o tema aqui mesmo em Aveiro. Afligiu-me que nunca sobrasse tempo aos políticos para explicar que politicas vão defender no parlamento europeu. As campanhas partidárias ficaram marcadas mais pelas quezílias e questões de baixa politica interna e menos pelas diferenças politicas. Bandeirinhas, saquinhos, beijinhos, ? e papagaios a imitar aves de rapina que voam alto demais e fingem estar a ver o que de nós escondem.
Fiquei convencido. Os grandes partidos PS e PSD não esclarecem as diferenças, porque têm politicas europeias mas não têm diferenças e sobra-lhes não mais que diferenças de estilo de mandador no baile da alternância. A julgar pelo que bradam aos céus, ao poder não interessa muito que os portugueses escolham entre diferentes politicas europeias, preferem que se pronunciem sobre o governo da nação e a astúcia no negocismo dos fundos estruturantes do Portugal feito à sua medida.

A noite dos resultados não podia ser mais consistente com a campanha opaca!
A coligação PSD/PP, que quer amarrar Portugal à sua força, descobre que entre os abstencionistas estão muitos dos que apoiam a coligação e lamenta que os indicadores da “retoma”, publicados pelo INE, não tenham sido suficientes para convencer o eleitorado a retomá-los (Assim mesmo!?!) Garantem que vão para a Europa trabalhar por Portugal e esperam que os outros deputados eleitos façam o mesmo. Do outro lado, a aritmética conduz toda a gente ao mesmo: o governo que começou a legislativa com maioria agora está reduzido ao apoio de um terço dos votantes e deve tirar lições da maior derrota de sempre infligida a uma coligação de direita e extrema-direita.

Convenhamos que, para o que estava em jogo, é mais sério somar os votos do PS aos do PSD do que somar os votos do BE aos do PS. Sem dizer o quê, Durão disse o essencial: ?As nossas ideias(?) de Europa ganharam e vamos fazer o melhor por Portugal?. Não se estava a referir a outra coisa senão aos 19 deputados PS+PSD. Para dar valor ao voto, ao BE bastava ter falado na plataforma europeia para a sobrevivência mínima e do reforço das seguranças sociais mais débeis, da luta contra o liberalismo selvagem nos sectores essenciais (a água, energia, etc) , na paz?. Dizem-me que as pessoas não votaram em politicas para a Europa e o que percebem e esperam é aquilo que lhes disseram.

Até quando vamos fugir da Europa?

[o aveiro; 17/06/2004]



  Os profissionais patriotas


Precisamos de uma vitória ou outra, uma vez por outra, numa coisa ou noutra. De vez em quando, uma selecção de trabalhadores de um dada especialidade é formada para se defrontar com selecções de trabalhadores da mesma especialidade de outros países.

Quando acontece a necessidade de selecção, não hesitamos em procurar os portugueses que mais se destacam mesmo que eles estejam emigrados. Há casos em que procuramos no estrangeiro os portugueses que desprezámos e empurrámos para o estrangeiro por termos dificultado a sua vida por cá. Do mesmo modo, tem acontecido estranharmos a diferença entre o tratamento que damos aos que querem imigrar quando o querem, daquele que é dado aos que entram com contratos milionários ou que, depois de entrarem, acabam por mostrar uma competência profissional de excelência, capaz de ombrear com profissionais de outros países. Quando tal acontece, nem é raro que aceitemos que esses imigrantes passem imediatamente a ser portugueses.

Assim tem acontecido especialmente com os atletas e as selecções de atletas. Assim, de repente, lembro-me de dezenas de emigrantes e um ou dois imigrantes. E dou por mim a ficar todo contente. A nação do futebol e das selecções não é uma coisa de pessoas, muito menos da sua naturalidade ou residência. E a pátria do futebol é só uma coisa de tão diminuta razão como é a adesão irracional a um clube.

Como explicar a minha alegria com as vitórias da selecção nacional de futebol neste Euro 2004? E a bandeira que se agita na minha varanda?

Fico maravilhado com o bailado, com os passes de bola que vão de um pé até outro e parecem tabelar naturalmente para ir para outro pé de onde parte para algum sítio certo. Algumas das coreografias mostraram-se esplendorosas aos meus olhos. É claro que tal não é propriedade da selecção portuguesa e dos profissionais portugueses. Algumas vezes, fico com a sensação que até é mais bonito o baile mandado das outras selecções de folclore. Também não é pois a prática profissional do grupo de baile mais bem pago do país que me leva a esperar só as vitórias da selecção. Até porque às vezes damos por nós a querer a vitória mesmo quando jogamos pior que os adversários.

Desisto! Sem pôr em causa a noção de nação e sem destruir a pátria, é a irracionalidade que na minha alma festeja as vitórias da selecção de Madaíl e Scolari e outros jogadores desta bolsa (ou a vida!) que não me são simpáticos e até podem ser de outra nação que não é a minha. E talvez por isso haja quem não me considere patriota e nacionalista. Dos seus pontos de vista, devem ter razão.

Viva Portugal!

[o aveiro; 24/06/2004/]



O beija-flor


Desde pequeno que me habituei a chamar a atenção. Faço biquinho como se fosse chorar quando não me ligam ou como se fosse o mais inteligente de todos e tivesse acabado de descobrir a pólvora, quando os outros fixam os olhos para o pedestal em que me inventei como estátua.

Depois aprendi que vale a pena aparecer ao lado dos mais poderosos, ainda que seja a servir-lhes café, pontuando as suas observações com OK, ámen ou KO. Na televisão, claro. Havia já muitos programas de televisão que tinham tornado famosas pessoas até por serem capazes de passar meses fazendo nada por encomenda. Havia mesmo um menino homem que se tinha tornado famoso por aparecer sempre atrás do repórter-mira do operador de câmara que filmava multidões. Sem perder um plano das câmaras que filmaram multidões do psd, cheguei a primeiro ministro! E não é que fiz chefe das tropas quem nunca tinha sido sequer soldado raso. Não é “nice”?

Convenci-me que podia ser notícia maior, alvejando com desemprego os meus concidadãos e critica os que não tiveram pontaria para isso. Perdi o norte da consciência social e passei a defender o salve-se quem puder. Quando se afogava alguém nos naufrágios sociais por não ter dinheiro nem bóia, sossegava a minha consciência garantindo que deviam ter tido cautela e pago seguros em vez de comer, já que o estado não pode ser uma imensa bóia. Ai, a forma liberal como participei ao lado dos poderosos cabos de guerra! A insensibilidade máxima para com os náufragos culminou com a eliminação e penúria de todos os institutos de socorros a náufragos, deixando naufragar no mar liberal, a saúde, a educação e a ciência, para alem de outras que nem me lembro. Mas que espero não ter esquecido nesses exaltantes momentos de pacovice financeira em que percebi que o produto interno bruto não tinha a ver com o produto interno de matemática secundária, essa que troquei pelo direito para depois me ultrapassar pela direita.

E não é que chego a chefe dos comissários europeus! Com um pais inteiro a falar da honra que é ter-me como testa de ferro do mundo dos poderosos, não podia ser melhor! É a glória.

Para a glória ser completa, preciso de ficar nos livros de história como o tipo que ganhou o euro 2004 e ganhou muitos euros enquanto subia ao pico da Europa dos 25 que me convidaram. E que a história não fale dos ranhosos que não conseguem ver a auréola de santo padroeiro de Portugal em peregrinação e teimam em ver uma auréola da nódoa que sai de Portugal para se espalhar em volta, na Europa.

[o aveiro; 1/7/2004]



Em segundo lugar…


Em primeiro lugar, a união nacional em torno da selecção nacional (de futebol). Todos juntos, vibrámos com as vitórias suadas da selecção e ficámos só ligeiramente desiludidos com a derrota perante os gregos. Comemorámos o segundo lugar e a vitória de uma alegria que parece de todos contra a alegre tristeza de cada um.

Em segundo lugar, ficou tudo o que não foi futebol. Para segundo lugar, foram os problemas e até o Durão Barroso que, de gravata verde e vermelha, para dar sorte!, apareceu nas tribunas vip sem as monumentais vaias que o brindaram antes.

E é assim que, calmamente, Durão Barroso pode sair de fininho a meio do mandato de um luso para um euro cargo, transformando o tal seu governo de salvação nacional de coligação num governo de gestão da coligação até que alguém aceite o coelho que o psd sempre teve na cartola, embora em segundo lugar. Em nome de uma Europa carente do Barroso, este deixa a salvação da nação a meio. Mas tudo se passa em nome da pátria, da honra da pátria ou dos interesses da pátria. Constatemos que há uma pátria particular deles que vai enriquecendo, embora a pátria em geral vá empobrecendo. Começo a acreditar que estes políticos são movidos pelos interesses particulares da pátria.

No meio desta confusão toda, tentam mesmo passar o presidente desta república para o segundo lugar. Tudo no maior respeito, claro. Enquanto esperam que ele cumpra o seu dever de fazer o que eles querem que seja feito pela estabilidade do país, da Europa toda e até das alianças que cabem nos dedos deles.

O segundo Santana que viu, nos astros, esta sua subida a primeiro, faz pose de estado e votos firmes de emenda daquilo que todos sabem. Diz ele que de outros grandes estadistas se disse no fim que eles tinham sido isto ou aquilo. Com Santana, as pessoas poderão condenar o que ele foi, garantindo ele que deixará de ser quem é, em nome dos altos interesses da nação, da pátria, da salvação… até da sua alma. Quem pode resistir a salvá-lo da má vida e a ajudá-lo a encontrar o bom caminho? Se o deixarem salvar a pátria, a pátria salva-o!

Isto é mesmo tudo a sério?

Em segundo lugar? Não há melhor lugar para chegar a primeiro… ministro. Neste circo, aceita-se um cargo como quem engole o trampolim para o próximo.

Nota final:
Últimos na lista da Europa desenvolvida, primeiros no futebol, Portugal e Grécia apresentam-se a concurso dos melhores organizadores de eventos desportivos a que tudo sacrificam. Será este o caminho do desenvolvimento que nos traçaram?

[o aveiro; 8/7/2004]



Passe-me o sal!


Entrámos na casa de pasto, quase ao mesmo tempo. Faz favor! O senhor primeiro! – disse eu, enquanto segurava a porta entreaberta. Muito Obrigado! – ouvi-o, numa voz sumida.
Quando habituei os olhos à sala e dei uma vista de olhos pelas mesas, comecei a arrepender-me de o ter deixado entrar primeiro. Nada que possa ser considerado indelicadeza; o facto é que eu tinha mesmo pressa e ele parecia-me um sujeito reformado, pacato e cheio de tempo ali a ocupar a mesa que tinha sobrado para um de nós. Durante uns momentos em que hesito – saio, não saio – fico a olhar para a mesa invejada. Quando ele levantou os olhos do papel rabiscado que passa por ementa, viu-me. E chamou-me com um gesto da mão.

Lá fui eu até à mesa, já aborrecido por ir perder o meu tempo. Mas, afinal, ele não fez mais do que convidar-me para almoçar. Em resposta às suas insistências, não mais que murmuradas, acabei por sentar-me à sua frente.

Que vai ser? – perguntou o empregado de mesa. Esperei que ele murmurasse: – Bacalhau, por favor! e água – para eu pedir – Tripas! e vinho -, claro, em voz alta. Ainda atirei: – Rápido! Com gás? – perguntou o empregado ao meu companheiro de mesa, que se riu levemente quando eu levantei a voz para dizer: – Agora têm gás na canalização ?

Enquanto esperava, pus-me a conversar. A conversar nem é bem o termo. Eu comecei a falar da vida, das ruas , do trânsito, do tempo, de futebol, … enquanto ele me ouvia pacientemente e com atenção. Com tal ouvinte até me esqueci da pressa que tinha e continuei a falar ao mesmo tempo que comia. De vez em quando, ria-me das minhas próprias graças com a boca cheia, para que ele soubesse que era para rir. E ele sorria. Eu nem precisava de mais. Sentia-me bem.

A única vez que ele falou, na sua voz sumida, disse: Passe-me o sal! Eu bem o ouvi e logo lhe passei o sal, sem deixar de falar um só momento. Entre as coisas que disse, também pedi a conta e exclamei: à moda do porto? E, sem parar, passei para a politica. Aí foi um tal falar dos gajos de Lisboa e da pouca vergonha dos políticos, dos tachos, das reformas à nascença, dos filhos da … Acabei a falar no Santana que era o indigitado do momento e andava a formar governo. Não podia faltar! Ainda a conta não tinha chegado e já eu estava a mandar bocas sobre aquela ideia de um ministério da economia no porto. E ri-me a bom rir. Quase me entalava com as minhas piadas. Para finalizar, ouvi-me a dizer: Tinha piada!

Você acha? – atreveu-se ele a perguntar. Então não acho! – respondi eu. O que é preciso é uma economia à moda do porto! Já estávamos à porta da tasca.

Um Mercedes encostou-se ao passeio. O condutor fardado saiu e veio abrir a porta mesmo ao meu lado: “Faz favor, senhor ministro!”
Ainda ouvi um murmúrio de boa tarde, antes de ficar sozinho na berma da rua.

[o aveiro; 15/07/2004]



Homem ao mar!


Quem defende a vida, ama a natureza! – esta é a frase mais forte que Paulo Portas encontrou para justificar a nomeação de Nobre Guedes para ministro do ambiente. Não precisava. O povo sente que entrando Nobre Guedes, o ambiente logo se torna “chic” e mais “in”. Sentimos isso na sua magistratura superior no conselho da dita. Telmo Correia especializou-se na promoção de viagens a destinos ideológicos duvidosos e é por isso e muito legitimamente ministro do turismo de um dia de verão, de preferência na quinta do lago.
Estes dois casos são dos que têm mais piada, logo a seguir ao Santana, promotor de missa simbólica e visita guiada ao cemitério, no primeiro dia de papel de primeiro! Benza-o Deus! que ele já esqueceu como é que se faz!
E há o problema da cultura que foi feita em cacos de Roseta para ser património à altura da tia Bustorff.

Eu não acho que um professor ou um pedagogo ou um cientista da educação, etc seja forçosamente melhor ministro da educação que outro qualquer cidadão politico que se interesse pelo tema e sobre ele (sobre o sistema educativo) tenha trabalhado e produzido opinião politica. Mas acho que é muito difícil defender a ministra da anacom. Sabemos que andou nas escolas e talvez conheça uma ou outra criança a frequentar um colégio deste reino unido por um primeiro mais ungido que indigitado. Ungido por Durao e indigitado por Sampaio!

Não há educação que resista a tanta falta de educação. Porque brincar aos ministros é falta de educação, estamos à espera que nos provem que isto das nomeações de Santana não foi uma brincadeira de mau gosto. Tem de haver alguma lógica nisto.

O que mais me intrigou nesta semana que passou foi o pedido de benefício da dúvida para o governo. Ora eu, não tenho nada além de dúvidas a respeito do dito. Podem contar as minhas dúvidas todas se isso melhorar a média do benefício.

O que me conforta é a “criação” segundo Santana. Para criar um homem é necessário barro e sopro divino. Para criar um ministro, basta que o sopro de Santana toque o nada.

[o aveiro; 22/07/2004]

Modelos financeiros


O desenvolvimento económico e social coloca à disposição dos cidadãos uma enorme variedade de produtos e serviços. E, de cada tipo de produtos, a rentabilidade das cadeias de produção é assegurada pela produção de enormes quantidades que precisam de ser escoadas por serviços de distribuição eficazes. Dito de outra forma, as sociedades industriais desenvolvidas produzem cada vez mais (em diversidade e em quantidade) e criam serviços capazes de criar a necessidade social (soma de necessidades individuais) dos diferentes produtos para alem da sua distribuição por todos os lugares da terra.

Em sociedades como a nossa, para se garantir um acesso generalizado aos bens disponíveis (muitos ainda antes de haver deles necessidade real e sentida) criam-se outros tipos de serviços (por exemplo, serviços financeiros, banca, seguros) que antecipam meios, por via dos empréstimos (crédito), aos cidadãos para que eles comprem os produtos a todo o custo.

Os ciclos infernais de produção são acrescentados pela obtenção de lucros rápidos baseada também ela na rápida e brutal a exploração da mão de obra. A necessidade de vender é acelerada pela concorrência e por sistemas de rotação de produtos que os tornam rapidamente obsoletos. Esta necessidade de vender transforma-se em pressão sobre o conjunto dos consumidores que são cidadãos por terem acesso aos bens essenciais ao seu bem estar e são vítimas sem direitos logo que se deixam cair na passadeira rolante financeira de marcha mais rápida do que a marcha dos reais rendimentos do seu trabalho. O que há mais nas sociedades de consumo é má gestão de expectativas. E há os donos de tudo que precisam de ter cada vez maiores lucros e, de uma só vez, chegam a sacrificar produtores e consumidores. Cada produtor é consumidor e um desempregado não produz nem consome.

Os problemas sociais a este nível são de tal ordem e têm tal influência na vida pessoal, familiar e social, que os sistemas educativos tratam estes assuntos sob os mais diversos aspectos. Por exemplo, em alguns programas de Matemática portugueses, já aparecem os modelos financeiros e não só para que cada pessoa possa agir de forma mais responsável (e logo mais livre) quando recorrer ao crédito e para evitar o endividamento excessivo, mas também para participar nas decisões sociais sobre o endividamento das autarquias, dos governos, etc.

Estou em crer que poucos jovens se inscrevem em cursos com Matemática Aplicada às Ciências Sociais e continuaremos com uma população juvenil sem formação em modelos financeiros. Nem de propósito. A formação nestes aspectos é uma exigência da cidadania. Mas na falta dela, podíamos contar com o exemplo das autoridades e das instituições que mostrassem, pela sua acção, em palavras e em actos, que utilizam os seus conhecimentos sobre os modelos financeiros para fazer uma boa gestão da coisa pública. A sua imagem valeria mais que mil palavras dos professores.

Mas … a manipulação contabilística e o manobrismo financeiro, praticados pelos governos e pelas câmaras, não ajudam a educação do povo. A Câmara de Aveiro é também um mau exemplo. Cobrar aos munícipes 3 milhões por um serviço de distribuição de um bem essencial (como é a água potável) sem pagar o que quer que seja ao fornecedor do produto acrescenta maldição de má-educação financeira genuína a tudo o que já condenámos como miséria politica em matéria de buracos negros para onde foram atraídos todos os fundos e todas as frentes da nossa ca(u)sa colectiva.

[o aveiro; 29/7/2004]



Uma humanidade de coisas.


As últimas semanas falam-nos de pessoas como se fossem coisas e de coisas como se fossem pessoas.

No Paraguai, deflagra um incêndio num centro comercial. Aparentemente, para evitar pilhagens e fugas aos pagamentos, as portas de saída são fechadas. Pode não ter sido exactamente assim, mas se alguém o disse como coisa possível é porque há coisa. E a entrada de bombeiros e socorristas é também atrasada pelos seguranças. E morrem centenas de pessoas, como coisas, executadas pela coisa.

No Sudão, milhões de pessoas morrem ou passam fome às mãos da coisa, como coisas. Quando começa a escavar-se um pouco mais sobre o que emperra as Nações Unidas ou sobre as razões da falta de genica face à tragédia humanitária do Sudão, descobrem-se interesses da coisa norte-americana. Direitos humanos ou direitos da coisa? Para a coisa, as pessoas são coisas.

A coisa de que falamos é invenção dos tempos mais modernos. A coisa é um conglomerado de interesses que tanto salvam como destroem conforme as coisas em jogo. Ninguém sabe quem é quem na coisa, só conseguimos identificar uma ou outra coisa humana que joga esse xadrez: políticos que defendem a insensibilidade da coisa para as coisas humanas particulares em nome de uma lógica de benefício global que a coisa produz para as coisas humanas em geral. A coisa em geral não tem cara; toma as caras mais diversas: comentadores de serviço para as virtudes da coisa, recentes ?jotas? que saltam daqui para ali e para o poder enaltecendo a coisa em abstracto, enquanto fingem tratar de alguma coisa em concreto.

O mais engraçado de tudo isto é que todos nós sabemos que há coisas assim: nunca fizeram coisa alguma para alem de enaltecer a coisa em algum canto do poder da coisa, mas assumem lugares de governo das coisas concretas sem saberem coisa alguma além de generalidades sobre a coisa do poder em geral. E mal nos damos conta eles tomaram conta das coisas e certificam-se como especialistas em cada uma das coisas. E podemos vê-los mandando nas coisas todas, públicas e privadas, ministros ontem e administradores hoje. A explicar acidentes, por exemplo: – Logo, nesta obra, a primeira que a Petrogal estava a realizar tendo em vista a segurança dos cidadãos e não a rentabilização é que se dá o acidente? A pública Petrogal fez coisas que não consideravam a segurança dos cidadãos de Leça, esses coisas?! Estão a ver a coisa prestes a mudar-se para coisa incerta?

Estas coisas são o nosso problema e o problema do mundo. A lógica da coisa é a coisa de nos tratarem a todos como se fôramos coisas. Aqui ou ali, porque mundo é muito pequeno. A coisa é que é grande.

[o aveiro; 5/8/2004]



Por uma etiqueta da ética


A ética da politica é a ética da lei, é a ética do estado de direito – eis o que, no fundamental, diz Pina Moura ao Público, quando questionado sobre a critica à sua aceitação de um cargo de direcção na petrolífera espanhola Iberdrola, empresa com a qual, enquanto Ministro da Economia e das Finanças, negociou a privatização da Petrogal. Para Pina Moura, a verdade é que “a ética não pode ser outra que não a ética da lei e das instituições encarregues de interpretar e aplicar a lei”.
Pina Moura não nos lembra (porque não se lembra?) que participou também no poder de fazer ou modificar tais leis que tão bem lhe servem para participar na bagunçada que é a promiscuidade do público e do privado – interesses e influência no público que podem ser tão só prestação de serviços a privados.
Mas basta consultar qualquer enciclopédia de trazer por casa (e Pina Moura conhece-as) para ler que “se devem distinguir as normas da moralidade, em sentido restrito, das normas meramente derivadas do direito, bem como das normas puramente convencionais do costume”. As leis, derivam de alguma ética e, nesse sentido normativo, podem superar algum relativismo ético. Ora acontece que, no caso de Pina Moura e de outros políticos, as leis têm servido para justificar comportamentos morais reprováveis, em nossa opinião. Sendo a ética fundamento da lei, não é do direito que emana a ética. As faltas éticas são ilustradas por actos de pessoas que não desrespeitam qualquer lei. Os que desrespeitam a lei são acusados de ilegalidade e crime.

Os “arrivistas” que passam a ministros, secretários de estado,… não desrespeitam a lei. Podemos falar da falta de ética pessoal, profissional e de dever e presumimos sobre o prejuízo do interesse público. Um artigo recente, da revista Sábado, sobre Nobre Guedes (que afinal não é nobre, nem de nome) é extremamente revelador sobre estas questões. Trata-se de um frete, também revelador das relações promíscuas deste poder com o negócio da comunicação. Para além do folhetim que pretende relativizar até o nazismo à direita de Salazar, tudo releva da dica de que os críticos da nomeação de Luís Guedes para o ambiente se esqueceram de declarações, de há meses atrás, em que este afirmara à Antena 1 que os dois ministérios mais importantes numa democracia moderna são a cultura e o ambiente.
Quantas pessoas têm a certeza que estes dois assuntos dominam a vida moderna? São milhões os que assim pensam, por bons motivos (e por maus também – há séries de TV sobre os sopranos interessados no lixo). A maioria deles não aceitaria a nomeação, por ser eticamente reprovável aceitar um cargo que não se pode exercer bem ou no sentido do bem colectivo.

Afinal, o abrigo da lei está ao nível zero da ética nas democracias modernas.

[o aveiro; 12/08/2004]



couve de Bruxelas


1.
Eu bem tinha escrito que o ministro do turismo de verão ia governar para os lados da quinta do lago. Por uma revista do expresso, soube que a secretaria de estado fica muito perto. E descobri agora que o primeiro ministro foi para a quinta do lago para uns dias de veraneio e devaneio, acompanhado dos seus filhos. Não sei o que é a quinta do lago a não ser das referências das colunas das tias deles. Mas deve tratar-se daquilo a que os teóricos chamam uma nova centralidade.

2.
Os algarvios viram arder a serra e a terra. Reclamam apoios rápidos. O primeiro da quinta do lago não consegue declarar o estado de calamidade para a região. Porque será?
Felizmente temos chuva. Se não tivesse chovido, o que teria ardido? Quem diz que esta chuva estraga o verão, não sabe nada de salvação. Só sabe que é de um extremo mau gosto que chova onde é mais o sol o que convém. Quem nos dera o sol na quinta do lago e nas praias todas e chuva nas florestas (já que estas são mais pasto das chamas, também da incúria, e menos pasto para os seus habitantes).

3.
Pelas fotografias que vi, a quinta do lago deve ser a capital da cusquice do bronze. Por momentos, fiquei sem saber se o salvado passa os fins de semana a palrar com os jornalistas na quinta. Ele sempre se foi confessando como tecedeira de comentários sobre a actualidade. O director da judite dá-se a conversas de treta e, coitado!, nunca imaginou que os jornalistas do correio da manha chegassem ao extremo da perfídia de o gravarem para a sua posteridade. Quem nomeou este director da treta que quer passar de vítima da sua treta a vítima de uma conspiração de treta? Neste romance só há conspirações e cabalas! De cabala do salvado, a salvado da cabala? Neste verão cabalar, chovem cabalas.

4.
O independente publicou parte das conversas. A sua directora, conhecida por plantar papéis, vem plantar extractos de conversa gravadas sem autorização. Sem autorização, também ela. Concorrência desleal ao independente de portas e guedes! E lá se foram salvado e sara, com a água do banho. Provavelmente, o futuro dirá que não se passa nada de tão passado que está.

5.
E a pública, na falta de assunto, decidiu falar da história de sucesso dos ex-maoístas. Fui ver. O sucesso dos ex-maoístas é o barroso feito couve de bruxelas e o director do público ele mesmo, para além do lamego no iraque, da esther de israel, etc. Afiançam-nos que balsemão gostava de trabalhar com ex-esquerdistas, esquecendo-se dos gostos de belmiro. Aproveito para concordar com o morgado que ironicamente dá graças ao destino por não ter tomado o poder. Mais ainda por saber quem, de entre os ex-maoístas, perseguiu o poder até lhe tomar as rédeas . Como cavaleiros montam o poder. Como cavalos, lembram-se do freio nos dentes. Quem puxa as rédeas?
Se eles são assim na sua ascensão em democracia, imaginem o que seria se tivessem tomado o poder como ditadores do proletariado. Um pais que se deixa invadir por ex-maoístas só pode ser um pais atrasado.

Ex-maoístas a cair das nuvens é chuva ácida.

[o aveiro; 19/08/2004]



educar o falar sobre o ensino


A nossa escola é um lugar estranho aos cidadãos. Excepção feita às crianças e a alguns anciãos de colo, todos passaram pela escola. A escola é parte da normalidade das sociedades modernas e é uma casa comum. Sabe-se que é precisa mesmo quando não parece: bem ou mal foi por lá que se teve acesso a grande parte dos conhecimentos (e competências) que utilizamos todos os dias sem pensar na escola.
Nestes meses que medeiam o fim de um ano escolar e o início do seguinte, quem se preocupa com os assuntos sociais e o futuro não pode deixar de escrever sobre a escola de hoje. Para falar da escola e tentar influenciar a sociedade no sentido da escola melhor (a cada um a sua), utilizam-se as notas dos alunos (do secundário principalmente) como prova de que a actual escola não está bem. Em abono da verdade, dá-se razão a todos os que disseram no passado, dizem no presente e virão a dizer no futuro que a escola não está bem e tem de mudar para melhor. É claro que “estar mal” ou “melhorar” têm sentidos e significados diferentes, já que ela tem de ser adequada sistematicamente às condições da vida social, aos desenvolvimentos científico e tecnológico, etc. Alguns aspectos decisivos desta época nem a melhor escola do mundo passado podia antecipar.

Mas há assuntos em que devíamos estar todos (ou quase) de acordo. A escola de hoje tem de ser muito exigente. Se não quisermos ser cidadãos diminuídos no mundo actual precisamos de saber e de saber fazer muito mais e aprender muito mais do que no passado. O conjunto de ferramentas de que dispomos é muito maior e os protocolos para as utilizar, que fará para lhes compreender o funcionamento!, são tão diversos que não podem ser assimilados por exaustão. Esta asserção bastará para percebermos que a existência de novos meios (também de ensino) não torna a escola (como lugar de aprendizagem) mais fácil, torna-a tão só possível como instrumento social de uma sociedade que carece da escolarização de todos os seus cidadãos presentes e futuros (tanto do lado dos direitos como do lado dos deveres).
É preciso que cada um de nós (cada pai, cada mãe, cada jovem, cada professor) saiba que neste mundo complicado, a escola tem de ser complexa, mas tão simples que todos possam compreender o valor do conhecimento e consentir o trabalho exigente e disciplinado que isso representa para cada um de nós.

Mas será que isso tem alguma coisa a ver com o que se discute quando se discutem resultados? Talvez, mas pouco. Os professores e os processo portugueses são pouco exigentes? Se fossemos ver pelos resultados (reprovações, repetências, etc) o nosso sistema apresenta-se como um dos mais exigentes do mundo.

Não vou pelo caminho dos números. Mais vale educar a fala.

[o aveiro; 28/08/2004]



O cinzento-escuro.


Os dias das semanas de verão passam cinzentos. São férias, senhor! – diz a semana quando a culpam de falta de assunto sério.

Assuntos escaldantes?
Houve incêndios, sim! Mortos na estrada, sim! Atentados longe daqui, claro! Genocídios de verão, também. Maus resultados nos exames. Notícias da falta de sono dos comentadores e doutores. Cassetes roubadas, cassetes publicadas, demissões do peixe miúda e do peixe gordo. Volta a Portugal. Volta à França. Pancada derrotada no futebol olímpico em directo na RTP1 e o resto dos jogos nos outros canais. A televisão pública derrotada em directo. E agora até já recomeçou o totobola!
Que é que nos pode faltar? Professores por colocar, por exemplo.

Houve quem quisesse tranquilizar a população, dizendo que o governo tinha ido de férias. Mas não foi. O que é inquietante neste verão foi ver o governo a não parar de governar. O “Independente” da semana que passou deu-me a dimensão da tragédia: eles nomeiam à velocidade de meio cinzento por hora. Até ao dia da saída do independente, 468 nomeações políticas dependentes. E lá me informou também das nomeações apressadas dos ministros de Durão. O mais exemplar é o caso do Ministro reconduzido da Saúde que, no intervalo entre governos, deu cargos de administradores aos seus colaboradores, não fosse o diabo tecê-las.

É impressionante o número de assessores, secretários, adjuntos, chefes, etc. que gravitam à volta de cada ministro e que podem ser nomeados. Ainda é para mim um mistério como se faz esta dança de cadeiras sempre que muda um ministro. Para onde vão quando saem? De onde saem quando entram?

Há mesmo pessoas que tratam só da imagem do nosso primeiro. Quem pensava que aquilo era beleza natural, ficou a saber que não, que há muito trabalho ali, muita “base” mesmo. Numa revista qualquer vi como a assessora de imagem se equilibra numa banqueta de pose. É um espanto.
Santana Lopes tem treze secretárias pessoais, oito adjuntos e quatro assessores. E pode nomear até sessenta colaboradores directos. Preparem-se. Até Paulo Portas nomeou mais que Santana: trinta e cinco. E tem só quatro secretarias pessoais e só seis motoristas.

Que é que nos pode sobrar? Ficar a ver navios. Ou algum navio em particular.

[o aveiro; 2/9/2004]



Estou a desenhar um risco


Alguns fazedores de opinião e cientistas sociais portugueses têm realizado um trabalho persistente de análise dos resultados dos exames do 12º ano, cuja edição deste ano acaba de ser publicada sob o habitual título de ?ranking?. Já conseguiram um facto educativo da maior importância que é a entrada da palavra ranking no vocabulário de todos os portugueses por mais mal educados que eles sejam. Vi e li dois: O ?ranking? expresso do ensino secundário, também chamado o novo quadro de honra, e o Ranking ?das 608 escolas secundárias, no Público. O Público declarou um colégio como a melhor escola do país com um total de 21 provas de 5 ou 6 estudantes. Há alguém que acredite que em qualquer das outras escolas de Vila Real, públicas com centenas de alunos, não se podem isolar 10 alunos cujas médias sejam superiores a 14, 7 (que é a tal média do Colégio da Boavista)? Deus meu! O melhor disto tudo é que professores, pais e estudantes acompanham os analistas e conseguem ver efeitos de mudanças em cada escola de um ano para outro. Mas quem acredita que houve mudanças nas escolas de Aveiro com influência nos resultados dos exames do 12º ano? Só tem interesse olhar para os resultados se for para melhorar o parque escolar e a escola conjunta da cidade.
Para que se perceba melhor as tolices que se dizem a partir dos rankings, aqui ficam alguns dados simples. Nos 3 últimos rankings do Expresso, a Escola José Estêvão ocupou as seguintes posições 43, 44, 53; a Homem Cristo ocupou os lugares 35, 49 e 114; a Mário Sacramento ocupou os lugares 278, 443 e 397, enquanto a Jaime Magalhães Lima passou pelos lugares 236, 161 e 213. Já nos rankings do Público, as coisas passam-se assim: José Estêvão ? 37, 83 e 111; Homem Cristo ? 82, 46 e 125. E pelo que consegui saber, neste ano, para o ranking do Público, a Mário Sacramento está na posição 471 enquanto a Jaime Magalhães Lima está na posição 297. (Todas atrás da excelência do colégio da Boavista) E já repararam nas variações de ranking para ranking ou de ano para ano? Acreditam que elas são espelho de algum sentido de mudança? De um ano para o outro, a única coisa que muda, mudando tudo, são os alunos que prestam provas de exame.

Estamos a piorar as médias. Embora tenhamos, em cada uma das escolas, um grupo de 10 ou mais examinandos que estão muito acima da média, estamos a piorar. E isso revela vários falhanços que vale a pena estudar: dos professores e das escolas, do sistema de explicações que gira em volta das escolas, dos estudantes.

Só me ensinaram a desenhar a tristeza. Não quero desenhar o ridículo que a tristeza carrega como cruz.

[o aveiro; 07/09/2004]



A paz nunca vem depois.


Porque apressas o passo quando vês a multidão ali mesmo à frente da tua escola? Porque levas o ramo das flores? Ninguém falava dela, da tua terra. É, por isso, que vais seguro e confiante para o primeiro dia de aulas do teu filho. Seguras-lhe a mão, mas é só uma segurança de ternura. Talvez lhe vás a dizer que vale a pena pelo futuro, quando ele hesita em separar-se de ti e juntar-se aos outros.
Onde fica Beslan? Ossétia? Nunca vi tal nome nos mapas. No entanto, fala-se de Beslan e da Ossétia, tantas vezes, que é como se fosse algum lugar conhecido desde há muito. E vejo as ruas e as casas de Beslan. Vejo pessoas e parece-me que as conheço, vizinhas do meu mundo sossegado. Vejo a fotografia do quarteirão da escola nº 1 de Beslam no momento em que é tirada. Posso saber o que disseste ao teu filho em Beslam nestes dias, porque ganhaste a atenção do mundo inteiro. Nunca fizeste nada por isso, mas estás aterrorizado com o mundo inteiro a ver-te. O terror bateu-te à porta e logo bateu à minha porta. Isto muda tudo, não muda? Quer dizer que, se os terroristas tivessem escolhido a minha escola da minha cidadezinha de que nunca ouviste falar tu tinhas sabido imediatamente. Se tivessem vindo aqui até à minha escola, tinham o mesmo impacto e serias tu a ouvir falar de uma cidade impronunciável. Há ainda quem sossegue na sua vidinha neste lado do mundo, porque pensa que vocês afinal são mais vulneráveis porque estão na Rússia dos problemas que o Kremlin tanto se esforça por ter e que é tão frio. Que negócios e quanto dinheiro se esconde nas fraldas das causas do terror? Não é fácil vir até aqui? Não são só as notícias que são rápidas a tomar o mundo. Que queres que te diga? Estou tão aterrorizado quanto tu estás e vejo-me a chorar os teus filhos como se chorasse os meus. Podemos chorar ao mesmo tempo. Hoje, sou eu que ouço o teu grito por sobre o meu grito. Hoje és tu quem não ouve os meus gritos, porque eu grito sobre o que vi acontecer-te. Mas amanhã? Sou professor.Se calhar, na minha escola, não haveria tantas flores para comer. Não sei que mais te dizer.

[o aveiro; 9/9/2004]

 



  A família


Há razões de sobra para estarmos todos felizes. O Ministro das Finanças disse-nos, a respeito de uma conversa sobre dinheiros, que somos todos membros de uma grande família a viver na mesma casa, contribuindo com dinheiro para a casa, que o estado português é a mãe que conta os tostões da família, decidindo as despesas a fazer. Quem não se sente confortado por fazer parte da grande família do Ministro das Finanças?

Alguns familiares andam zangados, e com razão, porque alguns filhos não contribuem para o bolo da família e não é que não possam. Podem e muito. O pior é que, embora não contribuam com a sua quota parte para o bolo, são os que dão as primeiras e maiores dentadas no bolo colectivo.

Mais zangados estão ainda porque a mãe trata uns como filhos e outros como enteados. Raios a partam! dizem alguns, os que não podem aceitar que a mãe desculpe os filhos mais ricos de não cumprirem com as suas obrigações e os trata por igual ou chega mesmo a favorecê-los quando chega a hora da distribuição da comida.

Pior ainda quando a mãe diz que, para alguns serviços essenciais, vai pedir mais contribuições e de acordo com o que cada um já paga, de tal modo que quem não contribuía continuará sem contribuir e quem já contribui ainda vai ter de contribuir mais. Todos os filhos que trabalham por conta de outrém contribuem e são afinal enteados. Os filhos da mãe não. Dizem os mais zangados que a mãe não devia procurar cobrar mais a quem já paga e que, se há falta de dinheiro, deve obrigar todos a cumprir com as suas obrigações.

Esta mãe diz que não dá mama aos filhos esfomeados para não os habituar mal. E deixa-se sugar por aqueles filhos da mãe que já só mamam por puras gula e inveja.

Não há moral nisto. Ou há e talvez seja esta: Mãe que maltrata a maioria dos seus filhos e protege parasitas acabará devorada pelas carraças das suas ideias. Ou esta: Tal mãe, tal filho das finanças.

[o aveiro; 16/9/2004]



o lugar que arrefece.


Por aqui, sabemos que o verão está a chegar ao fim quando as escolas abrem as portas para as aulas. Vestimos camisas de manga comprida. Compomos o ar e tomamos fôlego para os pacíficos combates contra a ignorância. Sabemos que nos foi atribuído um mandato de passar para os estudantes alguma sabedoria e competências necessárias para o seu futuro e o nosso futuro colectivo. E preparamo-nos como qualquer profissional. Olhamos para os conhecimentos e competências, em geral e em detalhe, e planificamos os nossos compromissos de dever. Mas como o nosso trabalho é feito com e para os outros, é preciso saber com quem vamos trabalhar, anos de escolaridade dos estudantes, das condições e cultura da escola e dos pais dos estudantes, colegas professores das diversas equipas que vamos completar, etc. Só sabendo isso tudo é que sabemos o que vamos ensinar e como o vamos fazer, que ferramentas escolher. Não são sempre as mesmas e as nossas preferidas podem nem existir na nova escola, porque o nosso trabalho não é, a esse nível, tão rotineiro como o de quem muda de estaleiro e vai assentar tijolo sobre tijolo às ordens de algum capataz que segue instruções e desenhos de engenheiros e arquitectos.

A dignidade de uma profissão é medida pela forma como dominamos o conteúdo funcional e como manejamos adequadamente as ferramentas da profissão para fazer a obra, qualquer que ela seja. Sabemos que a atempada distribuição de serviço pelos trabalhadores de acordo com as suas qualidades e qualificações é fundamental e dela depende a boa condução dos trabalhos e a produtividade. Mais ainda assim será se pensarmos em serviços de educação e ensino. Não é?

Passámos gerações a hesitar e cometemos demasiados erros na definição das políticas educativas e das necessidades, na especialização funcional dos professores, nas formas dos contratos de trabalho docente, etc. Mas, mais do que antes, é a actual sucessão de erros na colocação de professores que projecta a mais crua luz sobre o valor atribuído à dignidade profissional dos professores e à escola pública pelos governantes que têm a “escola toda”.

A incompetência dos mandantes poderá matar a dignidade dos professores, se não os contrariarmos com o óbvio – orgulho e dignidade são propriedade privada de cada um de nós.

Quem quer assassinar o ensino público? Os mais altos (ir)responsáveis dos serviços públicos têm feito de tudo para os desacreditar e (ar)rematá-los em leilão a favor de privados negociantes. Arrefecer os ideais de serviço público é feito com fingimento político. Mas é o que parece. E parece o que é: crime público.

[o aveiro; 23/09/2004]



Silêncio concertante


De vez em quando, lembro-me do Conservatório de Música de Aveiro. Há quem o veja como casa construída e instruída para a música. Mas olhando melhor, a casa da música foi devassada e devastada por uma fúria desconcertante. Da casa instruída para a música sobra um miolo dedicado à música. Lembra-me o conservatório que a música é um assunto incapaz de encher a sua casa, como se fosse a casa a apertar a música até esta se resignar à tacanhez. A surdez cultural é política, obra de políticos, tanto de ministros como de autarcas. Se em geral nos sabemos analfabetos, imaginem o que seria se contássemos a educação e a cultura musicais. A começar pelo primeiro-ministro, sabemos de que barro musical se fazem os responsáveis. Sobra-lhes o voto do espectáculo e esse, para ser notado, pode ser importado e ser pimba e pode até ser só pirotécnico para apagar as estrelas e os murmúrios da noite fecunda.

Nos últimos tempos, estamos preocupados (como é nosso dever!) com as desgraças das colocações dos professores dos ensinos básico e secundário. Mas alguém sabe como são colocados os professores dos conservatórios, se há quadro, que tipos de contratos celebram os professores, em que prazos, como são pagos? Ainda mais do que todos os outros, os músicos e professores de música têm quadros desajustados, contratos de favor ou quase, em completa desarticulação com os restantes segmentos de educação e ensino. Se existe, a vida dos conservatórios é desconcertante.

As escolas profissionais de música e os departamentos especializados no ensino superior não substituem nem sequer menorizam o papel das academias de música locais e os conservatórios regionais. Nada existe em Aveiro que possa substituir o Conservatório no seu papel.
Discutimos muito o ensino artístico e, em especial o sempre marginal ensino da música e formação do gosto, quando discutimos a revisão curricular nos governos de António Guterres. Já tínhamos discutido no tempo de Cavaco Silva e tinham-se dado passos tímidos na articulação geral e de contratações de professores. Não ouvimos falar do assunto nas alterações à revisão curricular. Ou tudo está bem, ou está tão mal que… o doente já não fala e… nem se fala disso.

Está aí alguém?

[o aveiro; 30/09/2004]



Plágio


No lançamento do livro do poeta Luís Serrano, sentimos como as cadeiras bonitas podem ser desconfortáveis. E como falam as circunstâncias, antes de sermos as orelhas sentadas dos convites. Uma senhora que lê estas crónicas, louvou a lupa pessoal que amplia partículas elementares. Ela consideraria notável a escrita persistente… se não houver plágio. Não há, pois não?
O mais difícil é escolher o facto, a frase ou … a palavra chave. Aí está – plágio – a palavra-chave para a semana que passou. Obrigado. Não presumo ter pontos de vista originais e dependo da actualidade, tantas vezes feita de indisfarçáveis originalidades em maldade, mentira e ignorância atrevida.

Sabemos que Santana Lopes não é original nas tentativas de controlar a ficção da realidade. Estará ele a plagiar outros antigos governantes? Ou, pelo contrario, ele é a primeira notícia de governante que não quer governar mais que as notícias e decidiu plagiar Marcelo, como criador do facto … da semana?

No que a esta crónica respeita, devo confessar que, do mundo que as notícias são, o melhor comentário é mesmo o da mulher que vive comigo. Diz ela que não pode jantar a ver um filme violento porque acompanha a criação das personagens e é perturbador ver o mal acontecer a pessoas que se conhecem. Menos perturbador é ver as notícias sobre a realidade ainda que violenta, já que não se conhecem as pessoas. As pessoas são afinal as vidas que construímos para elas. É ela quem o diz e eu estou a plagiar. Também diz que a realidade violenta é mais elaborada que a violência da ficção.
Com ela, volto à universidade onde nestas semanas muitos estudantes estão a faltar às aulas, plagiando públicas estudantordinarices do passado. O plágio mais tolo nem é o dos estudantes, diz ela.
Lembro-me das autoridades universitárias e policiais como cúmplices da boçalidade criminosa de parte da academia antes de 1974. A policia protegia o cortejo do delírio alcoólico de estudantes que, no Porto, contava com ministros da guerra, do ultramar e similares.
E, para minha vergonha, vem-me à memória plagiar o título de clandestinos comunicados de então – Os estudantes porcos palhaços e seus amigos porcos policias – que transformavam manifestações anti-queima em manifestações contra a guerra colonial. A policia que protegia os manifestantes dos cortejos indignos, perseguia à bastonada pelas ruas os manifestantes da dignidade. Mudou tudo?

Eu nem quero acreditar que a tragédia esteja a ser plagiada … como farsa.

[o aveiro; 14/10/2004]



O pó sobre a cómoda


Um membro do governo é ouvido pela alta autoridade para a comunicação social. No caso presente, não podemos dizer que seja de uma pessoa que estamos a falar. Falamos daquilo a que é hábito chamar braço direito. A história de vida de Gomes da Silva, esmiuçada em pormenor por algumas revistas e jornais, é mesmo uma história de braço direito. Há quem admita que o braço direito tem boca. Outros pensam que não. Ouvi mesmo quem asseverasse que o braço direito fala pela boca assessorada pela lux. Este braço direito a falar como porta voz do governo, boca de bocas, pode dizer-nos que foi como politico que respondeu ao politico Marcelo. E que o que ele diz não pode, por isso, ser posto em causa e como causa para efeito silenciador. O braço direito do governo pode mesmo invocar uma conspiração dos diversos semanários, diários e telejornais contra o primeiro ministro. O braço direito tem uma boca sadia, mas vê e ouve mal. Se pudesse olhar (com olhos de ver) para os seus actos governativos e ouvir o que dizem da boca para fora, perceberia que a haver conspiração ela é a sucessão de toleimas contraditórias e meio surrealistas produzidas pelo próprio governo. O ?delirium tremens? é chocante em coisas como a colocação de professores e é indisfarçável em muitos outros assuntos. Há as bolas de ?ping? assim para um ministro e ?pong? assado para outro a saltitar entre os lados da mesa do poder e que nos fazem saltitar os olhos das órbitas.

É um problema para o pais ficar desequilibrado assim cheio de braços direitos. O longo braço do poder é uma ameaça. O braço direito é uma desgraça. O braço direito delgado (que primou pela falta de pudor em defesa irracional do governo da guerra) passou a braço direito do governo na lusa e agora passa a braço direito executivo na Lusomundo (sem pré-aviso aos administradores que lá estavam). A palavra delgado que nomeia a pessoa é adjectivo que qualifica tanto a inteligência dos seus argumentos como a sua vergonha. Só não deve ser delgado o soldo de quem espera a defenestração mal mudem os ventos ou haja restauração da independência. Se há conspiração visível para o controle das coisas da comunicação social, ela é a dos braços direitos.

Esperam que nos habituemos aos seus braços direitos como nos habituamos a ácaros e ao pó da casa em obras. Aaaaaaaatchim! – é a inteligência a resistir.

[o aveiro; 21/10/2004]



Perturbação de sentidos


1. Nada me perturba mais na vida das cidades e dos cidadãos, do que a falta de encontro entre a decisão de poder humano (politica, empresarial,…) e a vizinhança no que ela tem de humano. O que há de humano nas cidades é cada indivíduo e outro e outro…, antes de ser soma e amálgama e efeito ou fermento na soma. Nem quero saber em pormenor quem tem a culpa no processo de extinção da Filarmonia das Beiras. Sei que ninguém tem desculpa, porque tudo me sabe a metal (deve haver) e não me sobram cheiros humanos, da sorte deste e daquele, da compreensolução para o problema real deste ou daquele. Muda-se a natureza da soma da música para que uma parcela possa ser eliminada; dá lucro, não dá lucro, o maior pagador que é o maior devedor falta com opinião na hora da decisão, etc. O silêncio sobre a situação crítica de cada um dos cidadãos músicos é cada vez mais pesado. Porque começou o falatório em volta dos outros ? dos cidadãos que exerceram ou não o poder de não pensar nos músicos como pessoas individuais e na música, dia após dia após dia após dia.

2. Nada me perturba mais, hoje em dia, que a falta de encontro entre o ensino e a vizinhança no que ela tem de humano. Sou professor de Matemática, agora do ensino básico de jovens à volta dos 13 anos e é perturbador ver que eles procedem comigo como se eu não falasse do que é comum. Se eu lhes der um problema em palavras faladas para resolver, raramente procuram uma real solução (mesmo quando conseguem pensar sobre ele). Não tiram medidas quando é preciso, usam uns símbolos e umas figuras que ilustram a situação sem a representar seriamente, etc. Não sabem o que é um marco num terreno (vértice de um polígono), não olham a fracção da matemática como a da língua ordinária. As palavras da matemática básica são termos constituintes do português básico ? uma ou outra excepção não contrariam a regra. E as respostas que procuramos, usando matemática, são escritas em português básico com o apoio de figuras e operações adequadas, cujos resultados são precisos para argumentar a favor desta ou daquela solução. Difícil é convencê-los que a resolução de um problema básico e a resposta que derem, em português corrente, deve ser compreendida por toda a gente ou quase.

Ninguém passará a número ou a unidade estatística por minhas mãos de professor. Uma escola básica que fale de cada individuo e da sua (e nossa) realidade talvez forme e controle os políticos para que procurem soluções sociais sem deixarem de ter em conta as pessoas autênticas, individuais.

[o aveiro; 28/10/2004]



Os dias depois do dia antes.


[1. Voos Intercontinentais.]

Ainda não sabemos. No momento em que escrevemos não sabemos. O Jorge ou o João? Qual deles será o próximo presidente dos Estados Unidos? Podemos tratá-los familiarmente assim em português e tudo. Afinal, as eleições para presidente dos EU são travadas em todos os cantos do mundo. Travadas é o termo certo, porque é de mais ou menos guerras que tratamos quando falamos das eleições do João e do Jorge.

Quando esta crónica sair impressa no jornal é possível que já se saiba. Ou que nada se saiba e se ande a contar e a recontar os votos para apurar o vencedor. Já foi assim quando o Jorge chegou a presidente pela primeira vez. E então também já se perderam e se encontraram votos onde menos eram esperados. Tal como está a acontecer agora.

A única verdadeira novidade é que estas eleições são tão globais que até Bin Laden, o inimigo mais chegado de Jorge (Bush), veio mostrar interesse e empenho nas eleições americanas. Só faltou dizer ao povo americano: votem no Jorge que é ele quem mais quer jogar comigo ao terror e ao jogo do mais – mais ricos de um lado, mais pobres cada vez mais pobres de outro.

Esta foi a semana antes.

[2. Voos domésticos.]

A meio do seu mandato para que tinha sido eleito, Durão virou as costas e foi para comissário a bordo do Europa. Para lá anda, com seu beicinho ?tem-te que não caias?. Depois de nos ter deixado, como presente envenenado, um projecto de primeiro ministro com um palmarés brilhante na passerelle dos presidentes modelos de câmara. De facto, ele, o Santana, passou ou passeou por duas câmaras de cidades cosmopolitas antes dele e ?altamente? depois dele. Ainda houve quem protestasse e tentasse convencer o nosso Jorge a não aceitar o presidente-modelo. Mas o nosso Jorge foi insensível aos protestos e nomeou Santana Lopes para que este formasse governo. Assim, sem passar por eleições, Santana chegou a primeiro ministro contra todas as previsões mas tendo a seu favor muitas pressões e muita vontade de entrar em qualquer jogo da glória. Até à semana passada, ainda era uma vergonha nossa, um problema domestico, quase privado,

Mas tudo mudou. Santana Lopes foi a Roma assinar a Constituição Europeia aparentemente em nome do governo e do povo português. Para a história, ficará a assinatura a ouro de Santana Lopes nas actas romanas. O Santana está nas alturas. E eu vou, de olhos no chão, assobiando pelas ruas da amargura a disfarçar, para que não me misturem com os farsantes vendilhões do templo de onde não são varridos pela história mal contada.

Resta-me escolher Não quando vier o referendo sobre a dita Constituição. Digo já. Não há qualquer conspiração nisto.

Esta foi a semana depois.

[o aveiro; 4/11/2004]

Porque somos felizes?

Em verdade, devia contar-vos o dia de hoje como um dia infeliz. De facto, assim parece. Como professor de matemática, decidi fazer uma viagem lenta com os estudantes que trabalham comigo. Para que as coisas parecessem claras ainda antes de partirmos, escrevi como sumário qualquer coisa como: tentativa de construção de uma nova operação ou conceito… pensando. Deixei que eles tomassem os lugares do espírito e tentei ganhá-los para a viagem que eu queria fazer. A ideia parecia-me simples: depois de lhes ter posto uns dias antes um problema complicado, ia agora colocar tudo o que sabíamos sobre o tampo das nossas mesas de cabeceira e procurar de toda a tralha que carregámos, uma ferramenta que fosse interessante e funcionasse a unir os pedaços do tal problema do dia antes. Fomos andando aos solavancos. Não perdemos tudo, algumas peças se foram montando, mas os estudantes não perceberam o essencial. E o pior é que alguns dos que se aproximaram para me perguntar pelo verdadeiro intento, acabaram dizendo que mais me valera ter dado a definição simplesmente.

Na minha vida de professor, isto acontece. Porque eu explico mal. Ou, mais frequentemente, porque os estudantes não querem saber como é que as coisas se fazem, como é que elas aparecem ou como é que escolhemos uma possibilidade entre várias. Também não querem muitas vezes saber porque é que a escolha convencional funciona. Basta-lhes que funcione para os efeitos que o professor desejar.
Em cada falhanço destas tentativas pedagógicas, apetece desistir. Mas nunca desisto, porque é possível que numa destas tentativas um estudante dê um salto para lado do processo do pensamento científico.

Os políticos todos pensam que o povo não quer saber dos processos, nem está apto a percebê-los. Pensam que o povo quer saber do que funciona ou não. Os políticos dizem ao povo o que pensam que ele quer ouvir, ainda que seja mentira. Desistiram tão radicalmente da verdade que dizem ao povo que os impostos vão descer (ainda que seja mentira) e enervam-se se os investidores e decisores europeus ouvirem o que foi dito ao povo em vez de lerem só a verdade que está escrita nos papéis onde a verdade se esconde da compreensão do povo.

De cada vez que há eleições, quase chegamos a pensar que estes políticos têm razão. De cada vez que falhamos com os estudantes, quase desistimos de explicar para impingir a receita.

Somos felizes, porque não desistimos.

[o aveiro; 11/11/2004]



Oficial desmentido


O ministro das finanças do meu pais é tido por pessoa de princípios rígidos. É daqueles que toma medidas para salvar o pais. Toma medidas e manda apertar os cintos, de castidade incluídos. Há muita gente que assim pensava até que há uns meses ele aceitou ser o financeiro de Santana.

Depois de ter estado em governos a defender o sigilo bancário como forma de cativar os investidores estrangeiros e nacionais, vem agora dizer-nos que para o ano não há sigilo bancário para ninguém. Disseram mesmo os comentadores que a esquerda ficou cativa das medidas felixes, rigorosas, populares e de controle do capitalismo selvagem ou dos selvagens capitalistas. O homem foi tão longe que até disse acabar com os benefícios fiscais dos ricos naquelas coisas chamadas poupanças ditas PPR, PPR-E, PH, etc. Os capitalistas que se cuidem.

Para fazer umas obras na cozinha cooperativa, lá tive de ir ao banco ver se havia poupanças e pedir empréstimo para pagar o que as poupanças não cobrem. Recomendaram-me que reforçasse a poupança-habitação até ao fim do ano e fiquei a saber que aquela coisa do fim dos benefícios fiscais ainda não era e que as medidas felixes não entram no orçamento de 2005.

Percebia pouco disto, percebo menos agora. Perplexo, comecei a ver cartazes do banco do estado, a caixa geral de depósitos, um pouco por todo o lado a incitar-nos a todos a fugir ao fisco, usando poupanças. O mais delirante de todos dizia: “Brasil – o novo paraíso fiscal para quem quer poupar nos impostos.” E eu a pensar que os capitalistas portugueses eram aconselhados a fugir para o Brasil. Mas não! O banco do estado português esclarece no mesmo cartaz a politica da campanha: “Paraíso fiscal é poupar nos impostos e ainda ganhar viagens. Este ano, poupe até ?2691 no IRS com as Soluções de Poupança Fiscal da Caixa e habilite-se ao sorteio de viagens a sítios paradisíacos. E se antecipar os investimentos até 10 de Dezembro, multiplicará as hipóteses de ser premiado”. O banco do estado promove o pais como paraíso fiscal. Onde está o Félix nisto tudo?

Os velhos como eu achavam que o governo devia ser de homens e mulheres de uma só palavra que, para alem de o serem, tinham de parecer sérios e com espírito de serviço. Há uns anos, começou a valer a ideia que não podia desrespeitar a lei e era conveniente parecer sério quem quisesse ser governante.

E agora?

[o aveiro; 18/11/2004]



Orgulho e preconceito.


1.

Trago os bolsos portugueses cheios de orgulho. Uns dizem-me que devo orgulhar-me por ter um português como chefe dos comissários europeus.

A barraca da primeira proposta de comissão em estilo rococó fez recuar Durão Barroso e os chefes dos governos da Europa do tipo Berlusconi, esse rapaz que, pela via do poder, se tornou imune à justiça do seu próprio pais. Também pelo partido do nosso ex-primeiro se passeiam algumas personagens do tipo foragido. Durão Barroso voltou com uma nova proposta de lista de comissários e esta acabou por ser aprovada no parlamento europeu.

Já aprovados pelo Parlamento, mas sem terem experimentado as cadeiras da comissão, os comissários começaram a pingar escândalos que recomendavam aos governos dos seus países que os não indicassem e ao nosso orgulho Durão que os não aceitasse caso lhe fossem propostos. Ficamos a saber que afinal não estamos sozinhos no mundo quanto a governos fracos de honra e ficamos a saber que o nosso chefe dos comissários aceita tudo o que os chefes dos governos lhe impõem. A comissária da concorrência está envolvida em vários processos de violação das regras e leis da concorrência. Argumento dos defensores da comissão: não está envolvida em mais do que 3 processos o que é uma gota de água no mar de milhares de processos em investigação. Não é espantoso este argumento a favor da desdita? Outro comissário até se esqueceu de referir que tinha sido condenado a pena de prisão e afastado de cargos públicos no seu pais. Orgulho no chefe português desta comissão tão qualificada?

Este orgulho que me propõem tem de ser escondido. É por isso que trago os bolsos cheios de orgulho.

2.

É mesmo preconceito da minha parte.

Interferem com os privados da televisão. Interferem com os serviços públicos de televisão. A primeira reacção dos tipos envolvidos é falar de outras interferências no passado e por outros partidos para não terem de explicar e assumir responsabilidade pelo que está a acontecer. Como se fosse natural dizer: outros foram piores que nós, deixem-nos ser um pouco trastes. E assim fazem com quase todos os problemas. São uns chatos pouco honestos untados num verniz que cheira mal. Não há pachorra.

É mesmo preconceito da minha parte e não consigo escondê-lo.

3.

E dizem-nos: porque não nos querem modernos como os outros selvagens da Europa?
Há civilização europeia e outra Europa. Na nossa Europa não esquecemos a experiência: os votos podem dar-nos o melhor da Europa, mas já nos deram o pior de tudo o que ela tinha para nos dar.

[o aveiro; 25/11/2004]



A paragem de autocarro


Não, não ia escrever sobre o dia da paragem de Santana Lopes decidida por Jorge Sampaio. Devo confessar que não esperava essa decisão, porque os autocarros da fé, da esperança e da caridade estão a deixar de parar em algumas das paragens onde o espírito os espera.

Ia mesmo falar de paragens de autocarros. Aqui, na rua do ISCAA por onde passo todos os dias, várias vezes ao dia, há um equipamento que abriga pessoas. Quem se levanta de manhã cedo sabe que é um equipamento de abrigo necessário para muitas pessoas à espera de um autocarro que as leve ao trabalho. Durante o dia claro, até parece que ninguém ali pára, que aquele abrigo não é necessário. Mas eu sei que é.

Acontece que esse equipamento de autocarros tem sido vandalizado e destruído com frequência. E como me revolta ver aquelas pacíficas pessoas a esperar num mundo de vidros estilhaçados. Sem poderem sentar-se, deslocam-se cuidadosamente e respondem em surdina às saudações que a manhã mal oferece.

Os serviços da Câmara Municipal e as Policias Municipal e de Segurança Pública devem ter registos destes actos de vandalismo. Nesta rua e noutras, claro. Esta paragem mais parece um desafio, já que as outras ali muito perto, não são assim desfeitas. É verdade que este equipamento está do lado do descampado que se abre para o abandono das traseiras do Instituto da Juventude.

Terá tocado alguma campainha de alarme em algum serviço da comunidade sempre que este equipamento foi vandalizado? Espero bem que sim e quero ter a esperança que todos nós tenhamos ouvido o aviso. Cada acto de vandalismo é para ser escutado. Quando o vandalismo se repete não podemos abandonar os lugares onde eles acontecem. Se abandonarmos para não ver, a indignidade toma os lugares como seus territórios exclusivos e tudo fará para nos expulsar da cidade construída para os cidadãos.

Que ninguém fique surdo aos avisos e aos apelos. Se abandonarmos a cidade a quem não a ama e a quem não ama as pessoas suas vizinhas, acabaremos a ser perseguidos para lá de fronteiras que nem imaginamos. Ou seremos perseguidores. Ser perseguido ou perseguidor? Isso não é vida.

Nem o sinal para a saída de Santana Lopes me afastou de escrever sobre a paragem do autocarro. Espero que isso acrescente importância a este aviso – para a cidade e para a democracia. É preciso parar com o erro de fingir que nada acontece quando é o mal que acontece.

[o aveiro; 2/12/2004]



Não ser de cá


A partir de Aveiro, a ruga na paisagem que ocorre para viagens a leste é o IP5. Embora ande muitas vezes a leste do que se passa, nem sempre me acontece cair no IP5 se me lembro a tempo de outras vias possíveis para o tempo disponível. Sempre que me foi possível e a razão prevaleceu, passei ao lado e longe do IP5. Mas nem sempre foi possível. Moncorvo, Fundão, Guarda, Covilhã, Seia, Vila Velha de Ródão, Vouzela e Viseu atraíram-me para o IP5. Escapei algumas vezes, mas nem sempre.

Agora, depois de beber vários copos de fel e provar dissabores, sei que fui muitas vezes feliz, improvavelmente. Umas vezes, não apanhei mais do que umas bichas monumentais por avarias de camiões no meio do estaleiro que o IP5 é. Outras vezes, as bichas são fruto do próprio IP5. E fui feliz mesmo quando a estes dissabores se acrescentaram espessas cortinas de nevoeiro, tornando o tempo tão lento que eu, sendo velho e lento, me senti animado a correr? à frente dos carros.

O pior estava para vir e isso é entrar e sair do IP5. Entrar e sair em Viseu não é difícil. Mas vindo de Viseu, as luzes nos médios e a atenção no máximo não chegam para discernir a entrada para Vouzela. Parece que nos enganámos, mas não! Percebemos que está tudo bem quando vimos o anúncio de uma igreja em Vouzela. Redobramos a atenção, mas não damos com a entrada e damos pelo engano só quando vemos o anúncio de saída que já é outra e é preciso pensar com muita rapidez enquanto guiamos sem elegância na ânsia de uma saída qualquer.

No regresso para Aveiro, faço pontaria a um nó do IP5, mas falho a entrada e fico a conhecer umas estradas de serra que seriam muito agradáveis se não tivesse caído a noite e eu pudesse ir ver Antela, o Ladário, o alto da Senhora Dolorosa, etc. Como português, dou por mim a aceitar que os construtores de obras façam os planos em cima do joelho, do meu joelho e da minha paciência. A criação de alternativas para não perturbar a circulação de pessoas e mercadorias não está prevista? O caderno de encargos da obra considera a sinalização, a prevenção nos desvios, etc. Com certeza, na Europa.

Em Portugal, só não se perde, quem já se perdeu antes e insiste. Se não sabe por onde deve ir, o que veio cá fazer? Se pagar portagem para as obras, pode reclamar. Quem quer avisos e placas decentes, não é de cá, não sabe por onde anda.

[o aveiro; 9/12/2004]



Filho, cadilho,… pecadilho.



Jorge Sampaio fez de Presidente e dissolveu a Assembleia da República. Não fez o mais óbvio que seria demitir o governo de Santana que era, dia sim dia não, uma coisa ou avesso de coisa ou coisa nenhuma. A maioria da Assembleia essa era uma bem estável retaguarda da coisa, fosse ela qual fosse.
Se Jorge Sampaio tivesse demitido a coisa, receberia de volta a mesma cabeça para outra coisa que seria a mesma coisa. Ao dissolver a Assembleia, Sampaio diminui Santana e livra-se dele a prazo por via do voto popular. Pensa-se que a maioria do povo votante não dará para o peditório em que os cabeças da coisa irão fazer de lopes pelas portas. Aquilo pareceu tanto um circo que quem mais se envergonhou foram os tradicionais mandantes e paus mandados da família de Santana. Quase podemos dizer que a herança do comissário José Manuel foi recusada em primeiro lugar pelos seus aparentados. De tal modo que, por Portas travessas, os da coisa chegaram a dizer que a coisa passou a coisa nenhuma pela mão dos banqueiros a quem Sampaio cedeu para defender interesses inconfessados. Olhem para os banqueiros, gestores e empresários sempre ao lado do povo e em desaguisado com Bagão, Barreto, Mexia, Portas, etc.
Durante algum tempo, a coisa foi muito civilizada e pela televisão só passavam as poses de estado e uma ou outra intervenção de respeito pela veneranda figura do chefe do estado. Mas, em pouco tempo, todas as relações civilizadas arrefeceram e azedaram os discursos. Mesmo ainda antes de a coisa se ter demitido para passar a ser a coisa da gestão dos assuntos correntes, em vez de coisa diminuída por Sampaio, já o inefável Morais (inteligente no Campo Pequeno) escrevia a letras de ouro o fado do caudilho Sampaio.
Bem o mereceu Jorge Sampaio. Ao aceitar nomear Santana há quatro meses, adoptou um filho já crescido que nunca foi mais que aquilo que sempre foi lá onde foi alguma coisa. Quem tem filhos tem cadilhos – diz-se. O suspeito do costume, Freitas do Amaral, devolveu a classificação de caudilho para Santana, vá lá saber-se porquê. Eu sou mais terra a terra: Santana como primeiro ministro, sendo filho adoptado, é um cadilho para Sampaio. E um pecadilho.

[o aveiro; 17/12/2004]



boas festas


O negócio das vendas dos imóveis e do património do estado será sempre um mistério para mim.

Quem algum dia já administrou alguma bagatela do estado sabe como é difícil (senão impossível) desfazer-se do que quer que seja ainda que seja o inútil, o estragado, o podre, o lixo. Compreende-se que assim seja em geral já que se trata da decisão de uma pessoa (ou um grupo de pessoas), num dado momento, de alienar um património de todos, adquirido e mantido por grandes épocas e gerações . Por isso, é espantoso o espectáculo anual da alienação do património geral do estado, muitas vezes de imóveis carregados de séculos, por uns maduros que assumem o poder por uns anos, quando não por uns meses. Começo a pensar que estes políticos levaram isto a votos e que a maioria do povo português lhes deu autorização para venderem o património comum da nação por altura das festas. Estou a ficar um bocado lélé da cuca e custa-me a acreditar que isto seja feito sem ir a votos. Aliás, eles têm concorrido a governantes do estado na base da necessidade de acabar com ele. São mais comissões liquidatárias do que governos.

O outro lado do meu espanto está na realização do próprio negócio. Toda a gente anda a dizer que isto vai mal, que ninguém quer investir, que a terra deixou de girar no seu eixo capital, etc. Ora, estes negócios do património são da ordem dos milhões de milhões, aparecem na altura das festas e das crises e realizam-se sempre. Porque é que para isto há investidores sempre prontos e atentos à oportunidade de negócio que não fazem ou não escolhem outros negócios? Só pode estar combinado há muito tempo. E só pode ser feito com garantias de retorno gigantesco a curto prazo. Eles são tão ferozes contra o estado que não dão para peditórios a favor do estado. Quem combina isto em condições de ser realizado o negócio – por acerto directo?

Finalmente, a terceira face do espanto. Por vezes, com foi agora o caso, os mandantes chegam a vender sem concurso e sem hasta pública os imóveis que estão a ser usados pelos serviços do estado e imprescindíveis institutos públicos. Ainda antes de receber o dinheiro da venda, já estão a pagar rendas milionárias aos investidores. Quem votou nesta política ainda acha que ela é política séria!

A Comunidade Europeia veio dizer que não é séria esta política, como se nos mandasse um cartão de boas festas. Aproveitemos a lucidez dos estranhos.

[o aveiro; 23/12/2004]



O paraíso da tragédia


Até ao momento em que escrevemos, contam-se cerca de 60 mil vítimas mortais de um maremoto no Índico. Nas primeiras horas, a busca dos europeus em férias fez passar para segundo plano a tragédia dos milhares de mortos e dos milhões de desalojados asiáticos. As imagens são devastadoras e sucedem-se os números da destruição em vidas humanas, casas e carros, seguidos dos números da ajuda humanitária internacional. Os meios de comunicação colocam-nos no centro da tragédia, como se lá estivéssemos na vizinha Ásia, sofredores e impotentes.
E é então que começamos a prestar atenção a outros dados que vão sendo lançados.
Parece que a ocorrência de maremotos e ?tsunami? é muito mais rara no Índico que no Pacífico. E se os sistemas de aviso do Pacífico para os maremotos, ondas e marés invulgares estivessem montados no Índico? Haveria menos vítimas! – é o que dizem os cientistas, já que passaram horas entre o maremoto e a chegada das ondas às costas da Ásia. Os meios de comunicação existem para comunicar e mostrar a tragédia a todo o mundo em tempo real. Porque não funcionam para os alertas que antecedem e podem evitar parte da tragédia? Parte desta tragédia é a denúncia do drama que o modelo de globalização encerra.
E dizem os cientistas que o modelo de desenvolvimento é responsável pela dimensão da tragédia, já que provocou alterações profundas dos eco-sistemas marinhos e das orlas marítimas do continente asiático. Desde a destruição dos recifes de corais para a cultura intensiva de algumas espécies e a substituição das espécies arbóreas tradicionais das orlas costeiras até à concentração de populações humanas na beira do oceano, dele tradicionalmente afastadas.
Todos estes problemas estão estudados e contra os modelos de desenvolvimento, seguidos na maioria dos países atingidos pela tragédia, os cientistas e as organizações internacionais sempre lançaram alertas.
Estamos agora a assistir à maior operação de ajuda humanitária de sempre e rezando para que a contaminação das águas e as doenças não dupliquem o número de mortos da tragédia. Afogados no combate à tragédia, esquecemos a lição da verdade sobre os negócios do paraíso … e as vantagens dos modelos de salvação. Que 2005 seja um ano de boa memória!

[o aveiro; 30/12/2004]

Deixar uma resposta