Arquivo da categoria: baixa poesia

baixar os braços

Foi a tempestade que baixou os braços,
amainou finalmente
e eu tive pena dela, muita pena,
porque, pelas ruas passeiam pessoas contentes
por ela ter desistido e ter ido embora.
Todas sem saudades dela
e sem desejar vê-la de novo.

E eu que não estive com ela
quando ela se despedia
briguenta e louca.
Só hoje me deu a vontade
de dizer-lhe adeus:
” Adeus, minha bela tempestade” —
que eu namorei da janela,
— “e como foste vibrante!”

Adeus, mulher, adeus.

4/7/88